28 de jun. de 2024

587) Será que eu sou feminina?

 



Será que eu sou feminina?

Mônica Clemente (Manika) 

Durante um tempo, pensei que eu não era feminina porque não suporto pintar as unhas e nem me maquiar. Muito menos usar salto alto, que enfraquece a nossa raiz para o prazer físico e espiritual. 

Isso não é “não ter a menor vaidade” é ter outros valores para o que é belo e forte. 

Eu também não fico triste quando uma situação exige uma postura mais afirmativa, mas na maioria dos filmes, as personagens femininas choram em situações em que eu ficaria enfurecida, ou fria, ou cínica. 

Alguns namorados meus também esperavam de mim algumas lágrimas ao invés dos términos sem explicações. Eu não costumo usar o meu tempo explicando o que uma pessoa já sabe, mas não quer saber. 

Eu nunca briguei com mulheres, como naquelas novelas em que uma personagem esbofeteia a outra por causa de homens. Nem desconfio delas. Sou amiga das mulheres e as admiro. 

Se eu não gostar de uma pessoa, o que é bem raro, é porque houve alguma situação para isso, jamais pelo seu gênero. 

Com o tempo, descobri que as personagens femininas, com reações diferentes das minhas, são escritas por roteiristas homens. Diante das críticas que eles começaram a receber, sabe o que fizeram? Colocaram escopeta e um ego fálico narcisista nas personagens femininas. 

Como se Athena e Artemis, deusas gregas, precisassem ser marrentas e assassinas, porque os roteiristas ainda não entenderam que elas não se sentem menores do que os deuses, nem precisam deles para ter um lugar no Olimpo.

Como se uma mulher só pudesse se tornar mulher no contato submisso com um homem. E para ser forte, precisasse ser igual a um homem estereotipado com a masculinidade tóxica. 

Os diretores homens fazem o mesmo: exigem lágrimas de suas atrizes, como já aconteceu comigo em uma peça, mesmo que o drama não especifique a reação. Talvez, para todos eles, as mulheres não existam (além das lágrimas). 

Com o tempo, eu me salvei de toda gente que diz “seja mais feminina” = chore e seja submissa ou você será considerada louca. 

Já imaginou um mundo feito só de salgueiros (chorões, que eu amo), sem cerejeiras, amoreiras e agriões? 

Mônica Clemente (Manika)

@manika_constelandocomafonte

Atendimentos de:  Constelação Familiar e de AstroFenomenologia – a leitura do mapa astral por meio da fenomenologia da Constelação Familiar .

#Feminina #Feminino #masculinidadetoxica #Mulher #Cinema

Nenhum comentário:

Postar um comentário

589) E Se Tirar o "Comigo" do Meio das Brigas?

  E se você tirar o “comigo”? Mônica Clemente (Manika)   Sinta como ficaria a realidade se tirasse o “comigo” destas frases:   “Minha ...