18 de jan. de 2021

244) A Águia e a Galinha

 


Era uma vez... 

...uma pequena ave que caiu do ninho (conexão com sua origem e cultura). Com a queda, ela fica cega (não sabe mais quem é). Um fazendeiro a resgata criando-a com as galinhas.  

Com o tempo ela começa a ciscar. (Para dominar um povo basta acabar com sua cultura - identidade (ninho)). 

Individualmente também podemos ser criados para esquecer quem somos. 

Um dia, um forasteiro (o que está reprimido e nas crises vem nos buscar) passa pela fazenda e pergunta se aquela ave é uma Águia. O fazendeiro diz:

 

- É uma galinha. Foi criada como galinha. É uma galinha. 

O Forasteiro pede 3 chances para provar que ela era uma águia (convite da jornada do herói para saber quem é). 

Na 1a tentativa, o forasteiro a resgata do galinheiro, deixa ela fincar suas garras em seu braço e a lança para o alto. Ela cai, voltando a ciscar.

 

- Eu te disse! Foi criada como galinha. É galinha! 

Esta é a fase da tomada de consciência, mas ainda sem força, nem aliados e conhecimentos para mudar. 

O forasteiro vai se educar e volta para 2a tentativa de libertação. Ele leva a Águia para o cume da montanha, onde podem sentir o vento. Desta vez ela abre as asas e alça voo, mas a sensação de liberdade é tão perturbadora que se fecha, rolando a ribanceira abaixo. 

Enquanto isso, o fazendeiro (nossas crenças, repressões, e/ou as tiranias) diz a sua famosa frase: "É uma galinha. Foi criada como galinha, é uma galinha!" 

Ele também podia ter dito: é um “povo preguiçoso” “é mulher, então é burra”, “é homem, então não vale nada”, etc..

Aqui, na 2a tentativa, começamos a conhecer a nossa história pessoal e coletiva, mas ainda não a integramos. 

O forasteiro retorna a 3a vez, depois de muitos estudos. Sobem a montanha. A Águia finca suas garras, sente o vento (educação é aquilo que liberta). Seu rosto é colocado na direção do Sol (Símbolo do Autoconhecimento) e ela desperta. 

Abraça o horizonte com suas asas e, mesmo cega (sem poder mudar o que aconteceu), se lança no ar.  

Agora, voando alto para nunca mais voltar, ela se lembra!  

Esta história era contada por líderes Africanos para despertar seu povo da opressão causada pelo apartheid. E o Leonardo Boff a reconta em seu celebrado livro “A Águia e a Galinha”. 

#África #Aparthaid #Mandela #Autoconhecimento #Liberdade #ÁguiaEaGalinha #LeonardoBoff #Recalque #Repressão #Libertação #Educação

 

13 de jan. de 2021

243) Barba Azul em "The Undoing"

 


A minissérie The Undoing, na HBO, é baseada no livro “You Should Have Known” de Jean Hanff Korelitz.

Embora sua produção seja de primeira, eu achei a série bem ruim. Então ficarei com a sua premissa, muito importante de compreender, que é a mesma do conto Barba Azul.

No conto de fada, uma moça é cortejada por um homem adorável, mas que tem algo estranho. Ela não leva em consideração os seus sentidos nem sua voz interior, que diz que há algo errado e que todos podem ver: UMA BARBA AZUL.

Um dia, já casada, descobre esqueletos no porão da casa, o que comprova sua antiga suspeita de que seu marido fez mal à muitas mulheres e fará com ela também.

Só então, na eminência de um grande perigo, pede ajuda aos seus 4 irmãos. Numa possível interpretação junguiana, eles representam o acesso da mulher aos conteúdos positivos do seu animus para sair de relações abusivas.

E eu acrescento que são também a formulação de outra questão, além da pergunta “por que uma mulher fica numa relação abusiva?”, que é:

Por que a sociedade vê a “Barba Azul” (o perigo) e não faz nada para mudar? Por que um homem pode abusar das mulheres sem maiores consequências?

No “HISTÓRIAS QUE ATUAM: a Constelação Familiar do Conto de Fada Preferido”, se este conto surge, descobrimos que homens machucaram mulheres.

E a pessoa que está conectada com o conto precisa aprender a ver a “Barba Azul” e confiar no que vê, porque seu sistema familiar e a sociedade não protegeu as mulheres de sua família dos abusos, mesmo vendo o que acontecia.

Na série, a psicóloga interpretada por Nicole Kidman atende pessoas que sabem que estão numa relação com alguém que fará mal a elas, mas negam o que veem

Então a trama vai tratar da tomada de consciência de uma mulher que nega o que está óbvio. E que tem todo um aparato social que contribui para ela se manter cega.

Tanto na série como em Barba Azul há 2 aspectos que não podem se apagar mutuamente:

1) uma pessoa e uma sociedade que veem algo estranho,

2) mas que fazem de tudo para negá-lo, porque mudaria muita coisa e é difícil mesmo arcar com desconforto de contrariar o que esperam da gente, pessoal e coletivamente.

 

 

242) Sobre (Não) Ver e (Não) Ser Visto



Há mais de 10 anos estávamos em uma Constelação Familiar (Familienstellen), sendo eu a facilitadora. Vou alterar alguns dados, sem mexer no sentido, para preservar a força do presente que recebemos, mas poder usufruí-lo. 

Uma pessoa, que chamarei de A, estava envolvida com B, que já não a queria mais. O representante de A (o “constelando/a”) e de B (o “novo parceiro/a” desinteressado) se colocaram no centro do palco, se deixando guiar pelos movimentos, que nos conduziam a todos. 

Depois de algum tempo, perguntei o que A sentia: 

- Eu gosto de B de verdade, mas não consigo ir para ele/a. Algo me prende. 

O representante B disse: 

- Não vejo ninguém ali. Quero partir. 

A, então, disse que teve um relacionamento antigo que o marcou muito. 

Colocamos um novo representante, que chamarei de C, para este parceiro ou parceira anterior. 

Quando C entrou, A começou a chorar. Disse que ainda o/a amava muito, mesmo aceitando o fim daquela antiga relação. 

Por mais que A estivesse aliviado com a presença de C, ainda não conseguia se mover, assim como B ainda não o enxergava. 

De repente, o representante de A se deixou guiar por algo que atravessava o grupo inteiro e falou para C: 

- Eu te amo, eu ainda te amo, amo, amo muito. 

“A” não só reconheceu o amor preso em sua garganta, depois da rejeição que sofrera, como falou isso olhando nos olhos de C. 

À medida que sua voz preenchia nossos corações, B começou a enxergá-lo. Já não sabia se queria ir embora como antes. E mesmo vendo que A gostava de C, se encheu de coragem para estar com aquela pessoa. 

Nos foi revelado que o constelando/a, ao tentar sufocar o antigo amor, acabou se apagando e desaparecendo também. 

Só quando o reconheceu renasceu em seu esplendor. 

Foi assim que eu aprendi sobre o impacto do que chamamos de coração quebrado. 

É a fenda por onde continuamos transbordando no mundo, sem tirar nada da gente além do que tentamos excluir. 

Se deixamos o amor, que uma vez esteve lá, fluindo, ele mesmo nos levará à uma nova relação. 

#Familienstellen #BertHellinger #ConstelaçãoFamiliar #OAmorPodedarCerto #RelaçãoDeCasal #VerSerVisto

 

 

 

 


9 de jan. de 2021

241) Como Manter o Volante da nossa Vida em Nossas Mãos

 


Foto Colagem Eugenia Loli
 

Agora é hora de dar a mão a quem perdeu a rota, mas sem se afundar junto. No dia 6 para 7 de janeiro de 2021, Marte entrou no signo de Touro, plataforma na qual ele se sente impotente.

 

Como Marte odeia se sentir fraco e é impaciente, começa a se debater na “areia movediça” de suas escolhas equivocadas. E vocês sabem, para nos salvarmos da areia movediça precisamos ficar parados. E para ajudar quem está lá dentro ficamos do lado de fora.

 

Então, neste trânsito astrológico, aquelas pessoas que já estavam perdendo seu rumo tendem a criar mais problemas para si e suas relações.

 

Se a parceira ou parceiro da pessoa que começou a derrapar puder se manter mais centrado e firme, e cultivar a benevolência no coração, poderá ser o Farol da embarcação perdida.

 

Digo benevolência, porque é preciso aceitar com brandura que todos nós, em algum momento, nos perdemos e precisamos de alguém que nos sacuda do pesadelo. E firmes para poder deixar claro alguns limites que a pessoa desorientada não consegue ter.

 

Ou seja, se o nosso parceiro ou parceira começou um processo de perder tudo o que construiu, não é hora de julgá-lo, nem de brigar. Ou pior, ficar desorientado junto. Alguém tem que pilotar o avião na tempestade. É hora de ajudá-lo ou ajudá-la a não causar mais danos para ninguém. 

 

Às vezes é impossível lidar com o desgoverno da pessoa em rota de colisão. Então temos que aceitar a nossa impotência, como Marte em Touro, e soltar a mão.

 

De qualquer maneira, ainda não sabemos o que fazer! Por isso entregamos a situação para uma Inteligência Maior, pedindo proteção e solução. E, se for o caso, buscamos ajuda profissional, mantendo as rédeas das escolhas em nossas mãos.

 

Falando de outra maneira: não decidimos mais nada levando em consideração o destrambelhamento da outra pessoa. Somos nós o governo do destino que queremos, mesmo que seja um passo de cada vez.  

 

 

#Astrofenomenologia #Astrologia #Marte #Touro #RelaçãoDeCasal 

#TrânsitosAstrológicos 

 



8 de jan. de 2021

240) Como Atuam as 7 Camadas da Mente


 

Camadas da Mente segundo o Yoga

Comentário sobre um trecho da minha tese de doutorado Yoga e Vigor

A nossa existência é pluridimensional, segundo o yoga, como as pétalas de uma flor! Vamos conhecer estas camadas pela perspectiva desta filosofia milenar: 

1.    1ª Camada é o Corpo feito de comida ou Annamaya kosa em sânscrito - é a camada mais externa da corporeidade humana, composta de 5 fatores fundamentais: terra, água, fogo, ar, éter. 

    Cada fator desses é conectado com um centro de energia, que se conecta com as outras dimensões da mente e suas propensões por meio dos hormônios.  

O que comemos, como eliminamos, os exercícios que escolhemos, o nosso sono nos conectada com as outras camadas e a natureza. Ou não. 

 

2.    2ª Camada Corpo dos desejos físicos ou Kamamaya Kosa – esta camada da mente tem 3  funções: a) sentir os estímulos externos pelos órgãos sensoriais (indriyas); b) ter desejos a partir destas destes estímulos; c) agir no intuito de materializar estes desejos usando as indriyas motoras, nossos órgãos motores.  

Ela controla as 10 indriyas: 5 órgãos sensoriais - olhos, ouvido, nariz, língua e pele. E os 5 órgãos motores - mãos, pés, cordas vocais, órgão genital, e excretor.  

O sentimento de “Eu” (si mesmo) não existe aqui. Então, bem estabelecidos aqui seguimos nossos instintos. Mas um adulto que se move a partir desta camada em busca de relações e vocação, ainda não está em sintonia com o que quer e o que é.  


3.    3ª Camada metal subconsciente ou Manomaya Kosa – as experiências do Si Mesmo, aparecem aqui. Tem 4 funções: 1)memória cerebral e extra-cerebral, 2) contemplação – busca de informações, soluções, pensamento científico e filosófico, 3) experiência de dor e prazer e 4) sonhos.  

Se estabelecer aqui exige muito de nós, como estudos, experiências de vida, relações com o meio e outros seres. O ego aqui é bem forte, mas deve saber que somos mais do que esta camada. Do contrário começamos a nos levar à sério demais. 


4.    A 4a camada é a 1ª Camada da mente super consciente ou Atmanasa kosa – ela transcende as amarras do tempo, espaço, pessoa, acessando passado, presente e futuro. 

Aqui realizamos a verdadeira presença e acessamos informações ancestrais e futuras (possibilidades). 

Como diz Jung (2006:353), não há como “contestar que ao menos uma parte de nossa existência psíquica se caracteriza por uma relatividade de espaço e tempo. À medida que nos afastamos da consciência, esta relatividade parece se elevar até ao não-espacial e a uma intemporalidade absolutas”. 

 

5.    5a Camada ou a 2ª Camada super consciente, a Mente subliminar ou Vijnananaya kosa – tem 2 funções relacionadas entre si: 1) discernimento entre o que é eterno e o que não é (viveka), e 2) desapego, graças ao discernimento (vaerágya). 

Aqui percebemos as ondas emanadas de tudo o que existe, das quais as outras camadas percebem só algumas frações.  

Por exemplo, ao olhar um livro, a ideia dele é apreendida com a ajuda de uma vibração que cria sua imagem na mente. Se os olhos estão fechados, ainda se pode reconhecer o livro através do toque. Se o livro cai no chão, sabemos pelo som que um livro caiu.

Aqui captamos os campos de informações pelas vibrações e ondas, anterior à forma. É como disse o Rilke: “o ser se sente na véspera de ser escrito”.

 

6.    6a Camada dourada, extática ou espiritual ou Anandamaya kosa (Iyengar) ou Hiranamaya Kosa (Sarkar) – aqui o sentimento de “eu” não existe mais para que haja uma atração fortíssima para a Suprema Subjetividade.  

O desejo de união (yoga) é incontrolável, ocorrendo a subjetivação máxima com o Si mesmo (Átman). 

É a atração desta camada que nos faz querer expandir sempre. E isso exige esforço - sádhana. Por isso que ninguém consegue de fato meditar, mas fazer sádhana até um dia entra em estado de meditação. 

 

7.    A Suprema Subjetividade está além das camadas: É o Átman que vai sendo  condensado em tudo o que é manifestado. Segundo os yogues, aqui nos estabelecemos na bem-aventurança absoluta. 

 

(Comentários sobre um trecho da minha tese: Yoga e Vigor - Mônica Clemente (Manika))

 

#Yoga #Kosas #CamadasDaMente #Multidimensionalide #PRSarkar #SusanAndrews 

 

239) Simbiose - como entramos e saímos de laços inadequados

 


Depois de uma certa idade não precisamos mais de laços estreitos para sobreviver. Mas há, como observou Eric Berne, transações que perpetuam a simbiose.

Uma delas é o Estado de Ego “Pai/Mãe Crítico” numa pessoa, tentando transformar o Estado de Ego “Criança Livre” em “Criança Adaptada Submissa ou Rebelde” em outra pessoa. E vice-versa!

Sem deixar que outros Estados de Ego (Pai Protetor, Adulto, Criança Livre) entrem nas transações. Vou dar um exemplo: 

A mãe diz para filha ou a filha diz para a mãe:

- Eu não sei como você vive com estas cortinas fechadas. Eu preciso de luz, de ar. (Esta fala está no Estado de Ego Pai Crítico no circuito negativo)

- Você vive me criticando! Por isso não gosto da sua presença aqui em casa (Criança Rebelde com Pai Crítico)

- Que horror! Só queria ajudar. (A Vítima chamando para o Triângulo Dramático).

Chega uma hora em que a conversa vai gerar culpa nas duas, prendendo-as na amargura. Logo em seguida, sentirão medo da solidão e escolherão manter a relação do mesmo jeito. Melhor ter carícias negativas do que não ter nenhuma...

Mas há saídas, se trouxermos outros Estado de Ego para dentro da conversa:

- Eu não sei como você vive com estas cortinas fechadas...

- Sim, não sabe. A janela do seu quarto dá para o mar. A minha dá para um prédio onde todos podem ver Netflix na minha TV. Vem, te mostro? (Estado de Ego Adulto - qualificou o que foi dito. E Criança Livre - fez uma brincadeira).

- Então por que não muda o lado da cama? (Pai Crítico novamente, na tentativa de forçar o outro a entrar na Criança Adaptada que tem que aceitar a sugestão).

- Porque a outra parede tem a fiação elétrica. Preciso dela livre. Tá vendo? (Estado de Ego Adulto)

- Faz uma obra! (Não desiste de forçar a simbiose para o outro depender dela.)

- No Covid? (Adulto)

- Se você quer ficar com as janelas fechadas...! (Pai Crítico)

- Quer sorvete? (Muda a conversa totalmente, porque percebeu que não vai conseguir puxar outro Estado de Ego da outra pessoa).

Existem outras transações que a gente aprende na formação de Análise Transacional AT202 . Para fazê-la é preciso fazer o delicioso e rápido curso AT101 - indico Regina Silva (11) 99111-7136

238) Vênus Regendo 2021


A partir de 20 de março de 2021 

o ano astrológico será regido pela Vênus.


Neste Vídeo 

eu falo um pouco sobre as potencialidades deste arquétipo, se o analisamos em sua mitologia.


27 de dez. de 2020

237) Sapos, Príncipes e Princesas: As Carícias São Essenciais

 


 

Lembrem-se, o sapo ganhou um beijo e virou um príncipe. Se tivesse levado um tapa tinha virado um monstro, como aquele, de boca faminta, que come a nossa luz desde lá de dentro.

Beijar o sapo é uma das mais fortes magias, porque se trata de carícias positivas e incondicionais, a seiva das relações felizes, que damos e recebemos, nos transformando em príncipes e princesas.

Se você se prometeu algo, como “vou emagrecer”, “vou escrever um livro”, “vou fazer tal projeto” e não cumpre a promessa, o que faz?

Fala para você mesmo: “irresponsável”, “não leva nada adiante”, “que fracassado/a?” etc.

Ou você beija o sapo, se dizendo: “Só hoje, vamos lá?!”, “Que ideia ótima. Escreve uma linha pra mim?!.”, “Foco, meu amor! Vamos nos dedicar uma hora em nosso projeto hoje. Amanhã a gente decide de novo.” Etc.

E que beijos transformadores têm dado nas pessoas que ama? Sabe do que elas precisam mesmo? Como descobriu: perguntando ou adivinhando em infinitas tentativas e erros? Elas sabiam dizer o que era essencial para elas? 

Você sabe o que é essencial para se sentir bem em sua própria pele (virar um príncipe ou princesa)?  

O que você pode se dizer hoje, só no dia de hoje, para ter um encontro amoroso com a sua Luz? 

Quer saber mais sobre as carícias essenciais? Indico a leitura deliciosa do livro “A Carícia Essencial” do Roberto Shinyashiki.  Foi indicado pela minha professora de Análise Transacional, a Regina Silva @at.praxis.

 


#EricBerne #CaríciasPositivas #AnáliseTransacional #CaríciaEssencial #RobertoShinyashiki #FomeDeCarícias #Depressão #AT101 #AT202

 

236) O que é Devoção?



A devoção no Yoga vê além das aparências, porque não atua como crença, mas como uma guiança interna.

Sarkar dizia, então, que o Yoga da devoção (Bhakti Yoga) faz com que o Luar refletido no orvalho acorde, um dia, e se descubra como a Lua no Céu.

Rumi, poeta do século XIII, já compunha seus poemas com esta experiência da devoção: Um amor tão grande por algo maior do que o infinito, que enlaça o Supremo pela cintura até que o amante e o amado se vejam como Um.

E os poetas contemporâneos Tagore, da Índia, e Kahn, da França, fizeram o mesmo no século XIX:

“Eu chorei com tanto amor que transpassei o coração dos homens.

E quando o meu olhar tocou as rochas, as rochas se projetaram como vulcões.

O mundo todo afundou no dilúvio apenas com meu pranto;

Com meu soluço profundo, a terra tremeu e quando em voz alta eu chamei o nome do meu amado,

Curvei bem a cabeça em humildade e, ajoelhado, supliquei pelo amor:

- ‘Eu te suplico, oh amor, revela-me o teu segredo’

Ela me tomou gentilmente pelos braços e me levantou acima da terra, e falou suavemente em meu ouvido,

“Meu querido, tu mesmo és o amor, és o amante, tu mesmo és o bem-amado a quem adoras”

Gustave Khan


—-/-/—-

“I mourned lovingly and pierced the hearts of men.

And when my gaze fell on the rocks, the rocks jutted out like volcanoes.

The whole world sank in the flood caused by my only weeping;
With my deep sob, the earth shook and when in
loudly I called out the name of my beloved,
the throne of God.

I bowed my head well in humility and knelt and pleaded for love:
- 'I beg you, Ò love, reveal your secret to me'

She took me gently by the arms and lifted me above the earth, and spoke softly in my ear,

“My dear, you are love yourself, you are the lover, you yourself are the beloved whom you adore”

#Rumi
#Tagore
#GustaveKhan
#PRSarkar
#BhaktiYoga
#Yoga
#Devoção

244) A Águia e a Galinha

  Era uma vez...   ...uma pequena ave que caiu do ninho (conexão com sua origem e cultura).  Com a queda, ela fica cega (não sabe mais que...