25 de jul. de 2023

555) O que é Astrofenomenologia

 

O que é a Astrofenomenologia?
Mônica Clemente (Manika)
manikastrologia@gmail.com
 

A Leitura Fenomenológica do seu mapa astral significa que nenhum outro mapa poderia ser lido como o seu, porque é você quem o traz à vida.

E você, como cada pessoa neste mundo, se constitui e se desenvolve a partir do relacionamento com o seu entorno, desde a sua mãe, o seu pai, família, sociedade, povo, pais, cultura e natureza.

Por meio da fenomenologia, acessamos um campo de informações das operações da consciência e do inconsciente.

Na leitura do mapa por meio da fenomenologia acessamos este campo de informações projetados no Céu de cada pessoa, com seus planetas, aspectos, signos, casas, dignidades e muito mais.

A fenomenologia, no entanto, tem algumas vertentes. A que uso é a fenomenologia da Constelação Familiar, descoberta por Bert Hellinger.

Desta forma, a Vênus com Saturno nos dá informações de como nos relacionamos com as pessoas, valores e nossa autoestima, astrologicamente falando.

Com a postura fenomenológica, acessamos como uma pessoa trouxe a sua Vênus à vida e se há repetições de comportamentos herdados de ancestrais, que ao serem observados possibilitam a criação de outro repertório para as suas relações.

A Astrologia é Gigante justamente por isso. Todas as formas de leitura astrológica são maravilhosas, porque todas as formas de se entender e de entender o mundo cabem entre a Terra e o Céu.

Ao abordar a astrologia por meio da fenomenologia do Hellinger, não abordo os símbolos, deixo que as pessoas revelem como elas se relacionam com eles para fazer a leitura do mapa, porque a fenomenologia não vê o mundo de uma maneira, ela é uma postura que deixa o mundo se revelar e mostrar como as operações da consciência de cada um se relaciona com o mundo.

Por isso, não é apenas a Vênus em Leão, mas como a pessoa se relaciona com esta Vênus. As casas astrológicas dão uma pista bem robusta sobre isso. E as realções que as pessoas estabelecem com os símbolos também.

Se quiser fazer a Astrofenomenologia do seu Mapa Astral, Revolução Solar, Sinastria comigo, me escreve um e-mail?

manikastrologia@gmail.com

Mônica Clemente (Manika)

#astrology #astrologia #familienstellen #ConstelaçõesMitológicas #constelacaofamiliar

18 de jul. de 2023

554) O Ciúme Permance até que se Olhe para o não foi Visto

 

A Constelação Mitológica do Ciúme em Apolo e Jacinto

Mônica Clemente (Manika)

 

          O ciúme, segundo Hellinger, está a serviço de separar os amantes enquanto o que ele olha não for visto. Tanto para quem o provoca como para quem procura infidelidades onde elas não existem.

 

Em uma Constelação Familiar, o ciúme olha para o mundo dos mortos, com a dor dos corações partidos, em busca de alguém excluído. Pode ser, por exemplo, que a mãe do “ciumento” tenha perdido muitos filhos, fazendo ele chorar pela morte dos irmãos em seus relacionamentos.

 

Ele fará isso atualizando estas perdas e suas dores correspondentes, mesmo sem saber, escolhendo um parceiro que vai lhe provocar ciúmes reais ou buscando avidamente alguma infidelidade inexistente. Como se ele pudesse trazer de volta a pessoa que todos amam e não teve o luto feito.

 

Esta mesma dinâmica já estava constelada há milênios, no mito grego de Apolo e Jacinto. Um dos homens mais bonitos já vistos, fez os deuses Apolo e Zéfiro se apaixonarem por ele.  

 

Para conquistá-lo, Apolo o separa do seu amante Thamiris. Sem saber de nada, Apolo e Jacinto namoram felizes, até o dia em que o deus do vento (Zéfiro), enciumado, mata Jacinto num “acidente”.

 

Arrasado, Apolo faz o sangue do amante renascer em uma flor que recebe o seu nome. Como o luto que precisa ser feito para ninguém mais repetir as velhas perdas em seus novos relacionamentos. 

 

Por um lado, o mito trata dos ciclos de vida e morte. Por outro, revela que o ciúme não está a serviço da vida nem dos relacionamentos, muito menos da esperança de viver a felicidade que vê em outros casais, matando-a em si mesmo com fez Zéfiro.


E, mais do que tudo, este mito atualiza uma tragédia dos nossos tempos. Como em “O Segredo de Brokeback Mountain”, de Ang Lee: 

 

Todas as vezes que as relações homoafetivas não são tratadas como normais, Zéfiro, o vento que lançou um disco na cabeça de Jacinto (o preconceito), mata alguém que amamos porque a sua forma de amar não foi aceita. 

 

Mônica Clemente (Manika)

@constelacoes_mitologicas

@manika_constelandocomafonte

 

Quadro “The Death of Hyacinthos” de Jean Broc”

 

#BertHellinger #Apolo #Jacinto #constelacaofamiliar #familienstellen #Ciúme #homoafetivo #ConstelaçõesMitológicas

16 de jul. de 2023

553) O Caminho do Guerreiro - Don Juan Matus

 

O Caminho do Guerreiro – Don Juan Matus
Mônica Clemente (Manika) 
@manika_constelandocomafonte

Os 4 desafios do Guerreiro ou pessoas de conhecimento, segundo o xamã “Don Juan Matus”, são: 

1.    O Medo

2.    A Clareza

3.    O Poder

4.    A Velhice 

Este ensinamento, exposto em um dos romances do antropólogo Carlos Castañeda, trata da progressão do poder espiritual do guerreiro através dos 4 desafios do “Caminho do conhecimento ou do Guerreiro”. 

1.   O Medo 

O 1o desafio é o medo. O medo em geral e medo das consequências das mudanças desejadas ou impostas. Na Constelação Familiar, vemos que o medo de não pertencermos mais ao clã, graças ao desejo de fazer algo diferente do que foi ensinado, pode nos congelar em alguns padrões. Ou nos fazer desrespeitar o velho paradigma, pensando que assim nos libertaremos do que não nos serve mais sem consequências futuras.  

Nenhuma destas estratégias, no entanto, é eficaz, seja a de se congelar na mesmice ou a de desrespeitar a família. 

O guerreiro, neste estágio, deve aprender a superar o medo do desconhecido com humildade e responsabilidades. Desta forma, ele amadurecerá e expandirá seu aprendizado de vida até a 2a etapa do caminho do conhecimento, que é a clareza, aquele “único olho em terra de cego”.  

2. A Clareza 

Graças à coragem de amadurecer, o guerreiro expande seu aprendizado, ao mesmo tempo em que traz mais conhecimentos para o seu mundo e para a sua gente. Se, neste percurso, ele começar a achar que sabe de tudo, ficará preso em uma “torre de marfim”, local simbólico do conhecimento que não serve mais para a manutenção da vida. Este é o perigo deste estágio: o esquecimento de que a verdade se apresenta de diversas maneiras, mostrando várias facetas da realidade.  

Desta forma, se o guerreiro se mantiver flexível, ganhará o poder de se conectar conscientemente com a dimensão espiritual, sua guiança através do sucesso.  

3. Poder 

Para um xamã, o sucesso em vários aspectos do viver tem a ver com a manutenção da existência em harmonia com a natureza e com as exigências do seu tempo, sejam elas quais forem.  

O pacto civilizatório dos povos não indígenas também depende do equilíbrio entre civilização e natureza. Tanto é que o desequilíbrio desta relação antecede o fim de várias civilizações.  Nesta fase, o ego do guerreiro será seduzido pelas forças da Luz e da Sombra, como aconteceu com o “Darth Vader” e o “Luke Skywalker”, personagens do épico “Guerra das Estrelas”. 

Em outras palavras, o guerreiro deve desenvolver o seu caráter usando o poder conquistado para o bem coletivo, sem subjugar os outros e a si mesmo ao egoísmo, ou ele ficará preso nos altos e baixos da roda da fortuna, sem nunca alcançar o seu centro, o cerne dos acontecimentos onde não pode ser “atropelado”. 

4.   Velhice

Se vencer a sedução do poder adquirido, chega à velhice, que é a sabedoria de lidar com as limitações impostas pelo corpo e pelas mudanças da vida. 

Assim, os 3 primeiros estágios do caminho do conhecimento o prepararam para perder a própria importância diante das areias do tempo. E para que ele e seus parentes, com a chegada dos limites impostos pela velhice, tenham a oportunidade de vislumbrar o que realmente importa e tem valor em suas vidas. 

Mônica Clemente (Manika)

@manika_constelandocomafonte 

#DonJuan #Castañeda #familienstellen #constelacaofamiliar #OsEnsinamwntosDeDomJuan #4desafios #MedoClarezaPoderVelhice

 

13 de jul. de 2023

552) Morgana Fala

 

Morgana Fala

Mônica Clemente (Manika)

@manika_constelandocomafonte

 

Rei Arthur, ícone lendário da fundação da Inglaterra, estava do outro lado desta história, na verdade. Sua lenda retrata as lutas “celtas” contra a romanização e as invasões anglo-saxónicas. E o desejo de que houvesse um líder capaz de salvá-los.

 

Na hipótese do Rei Arthur ter existido, sua fama começa a partir da vitória esmagadora dos britanos (celtas) sobre os anglo-saxões, na Batalha do Monte Badon. 

 

Com sua lenda terminando quando é levado para a ilha de Avalon, uma terra desaparecida pelo esquecimento. A ilha mágica é um dos recursos míticos que trata de várias dimensões da psique ou de tudo o que um dia existiu e agora está suspenso no inconsciente coletivo.

 

Por isso, “os mitos têm uma ligação com as mais secretas modalidades do ser”, como dizia Mircea Elíade, porque são arcabouços de toda saga humana não contada ou esquecida pela história oficial. 

 

A prova disso, está em Merlin, conselheiro do Rei Arthur, que se parece com os antigos druidas (sábios celtas), ligados às forças mágicas da natureza e responsáveis por aconselhar os reis.

 

Está em Excalibur, que tem a fama das antigas espadas celtas, que eram tratadas como sagradas, tendo velórios em um lago quando seus donos morriam, como aconteceu na lenda com a dama do Lago. 

 

Está no Graal, símbolo incorporado pelo cristianismo e que tem  o mesmo formato e poderes dos caldeirões celtas, relacionados à 3 estágios de desenvolvimento e ao útero sagrado de algumas de suas deusas.

 

E, finalmente, está em Morgana, a irmã de Arthur, que é a deusa céltica Modron (A mãe Terra) que aparece em versões antigas da lenda, numa época em que ela era cultuada, mantendo o pacto entre civilização e natureza. 

 

Nos 4 volumes de “Brumas de Avalon” de Marion Zimmer Bradley, o pacto que mantém em equilíbrio a sociedade humana com a Terra viva (e todos os problemas advindos da sua quebra), ganha uma voz feminista.

 

E, uma vez que a igualdade de gênero também ganha fôlego e se regenera sobre este pacto, Morgana é a narradora, abrindo o romance com a sua voz:










 Mônica Clemente (Manika)

@manika_constelandocomafonte

 

#Reiarthur #celtas #morgana #modron #Feminismo #MarionZimmerBradley 

#brumasdeavalon 

 

11 de jul. de 2023

551) É Fácil Reconhecer um Diamante na Tiffany ou com a sua Vênus

  

É fácil reconhecer um diamante na Tiffany ou com a sua Vênus

Mônica Clemente (Manika)

 

É fácil reconhecer um diamante na Tiffany. Difícil é não ser vista e, ainda assim, investir em si mesma sem saber o valor que se tem.

 

Toda trajetória de Miriam e Susie na série “A Maravilhosa Sra. Maisel”, no Prime Vídeo, é sobre a difícil tarefa de libertar o próprio valor da invisibilidade de ter nascido mulher numa sociedade que a despreza.

 

Com a coragem de não cair nos subterfúgios da vara de pescar elogios, com iscas de baixa-estima (“meu cabelo está horrível”), para ver se alguém dá uma carícia positiva (“que nada! Seu cabelo é lindo”), compensando precariamente a menos-valia.

 

Como disse Miriam, encarnando a Vênus em Leão que está no Céu entre junho e outubro de 2023, “um diamante é fácil de ser visto na Tiffany.” Assim como é mais fácil reconhecer o próprio valor na materialidade das conquistas feitas, mas quem tem olhos para ver preciosidades soterradas por crenças negativas?

 

A sua Vênus tem!

 

Este planeta, no mapa astral, representa o arquétipo da capacidade de reconhecer o próprio valor e o valor dos outros, mesmo que ninguém mais seja capaz de ver.  E mesmo que esteja mal aspectada e mal posicionada, continua sendo a primeira a brilhar no Céu para você. 

 

———

Ficha Técnica:

 

“The Marvelous Mrs. Maisel” - série, 5 temporadas finalizadas em 2023. 

 

Criação e Roteiro:

Amy Sherman-Palladino

Daniel Palladino

 

Mônica Clemente (Manika)

@manika_constelandocomafonte

 

No final (tem spoiler), a amizade delas e toda riqueza que um dia terão, simboliza as suas conquistadas potencialidades, muito mais do que a materialidade das suas conquistas.


#TheMarvelousMrsMaisel #Vênus #autoestima #astrologia #astrofenomenologia

589) E Se Tirar o "Comigo" do Meio das Brigas?

  E se você tirar o “comigo”? Mônica Clemente (Manika)   Sinta como ficaria a realidade se tirasse o “comigo” destas frases:   “Minha ...