25 de fev de 2013

19) Convite à Jornada do Herói




Como os emaranhamentos familiares podem, na verdade, 
nos convidar à grande aventura da JORNADA DO HERÓI ?




A Jornada do Herói

"O chamado à aventura significa que o destino convocou o herói e
 transferiu o seu centro espiritual de gravidade do âmbito da sociedade 
para uma região desconhecida. Essa região profética de tesouros e perigos 
pode ser representada de várias formas: como terra distante, uma floresta, 
um reino subterrâneo, um local situado sob as ondas do mar ou acima do céu,
 uma ilha secreta, um imponente pico de montanha, ou um profundo estado onírico. 
Mas é sempre um local habitado por seres estranhamente fluidos e polimorfos, 
de tormentos inimagináveis, de feitos sobre-humanos e de prazeres impossíveis."

Joseph Campbell, 



E se nasce onde os aliados - forças que não sabíamos que tínhamos - estão para embarcar conosco numa grande aventura rumo à bem-aventurança.


Em toda família há um parente com rótulo de louco, “doente” mental, imprestável, banana, sem importância. Ele pode ficar viciado, se meter em brigas, parecer nunca sair do labirinto dos erros. 

Geralmente é o bode expiatório, causador de problemas ou receptáculo da culpa dos outros. Ou é apenas o diferente incompreendido. Se ele/a não for de fato um manipulador roubando toda energia do grupo, é aquele que tem em seu ser a força para integrar o que na família (e até na sociedade), há gerações, ainda não foi legitimado, compreendido, desenvolvido e amado.

Se há um irmão ou irmã, tio ou tia, avô ou avó, pai ou mãe “apedrejado” por todo grupo familiar, é bom parar e observar - principalmente se você for o que mais o odeia sem de fato ter porque odiá-lo, além de suas críticas inventadas para massacrá-lo. Ele/a tem latente a semente da cura, DA SUA CURA, que você não está nem um pouco disposto a se responsabilizar.

Quando ele (o herói adormecido) desistir deste lugar, todos os membros do clã terão de lidar com seu quinhão de responsabilidade e se transformar. Isto é bom, abre horizontes para a felicidade. Porém, como grande parte das pessoas é preguiçosa e temem despertar sua força na Jornada do Herói – quando se embarca na viagem interior em busca de tesouros nunca antes imaginados e lutas com monstros que se transformarão em talentos e potência -, farão de tudo para manter seu parente atado aos grilhões por meio de constantes julgamentos, sabotagem dos esforços dele/a e invasões violentas em sua vida. E, se não for o suficiente, consumam sua morte social excluindo-o sumariamente.

Mas ele/a, o/a “herói adormecido”, pode abrir mão da sua arrogância de salvador/a, abrindo mão das "moedas de ouro sem valor" que o faziam prisioneiro de um destino difícel. Entendendo que não faz bem aos seus pegando para si o destino e aprendizado de herói dos outros. Com isso ele consegue desatar o nó que o mantém "enforcado" e embarca em sua aventura.   




O Pendurado do TAROT 

Aqui o herói foi colocado na posição invertida para ver as coisas de outra maneira. Ele foi longe demais em alguma perspectiva que não lhe servia mais para seu desenvolvimento. Isto é representado pelas moedas e pelos galhos  (frutos de suas ações) cortados e sangrando do desenho.
 Ele  pode soltar  seus pés atados -  emaranhamentos - quando, com sua nova visão de vida, decidir soltar os sacos de ouro.


Ou pode-se dizer que ele se torna humilde, como se sua cabeça ficasse abaixo dos pés, para  ver de um ângulo diferente aquilo que o enclausurava. Esta nova visão dissolve o jogo dos emaranhamentos e permite que os seus familiares façam as suas escolhas. Ou aumentam a dose diária de anestesia, à venda em qualquer esquina com prescrição médica e tudo, ou se permitem embarcar em suas próprias aventuras magníficas.




ps: Em um sistema familiar, cada um de nós pode ser todos estes personagens (às vezes não). Não só o bode expiatório, mas o opressor. Não só o excluído, mas o que excluí, porque, como diz o mestre Shrii Shrii Ananda Murti, "Brahma adora drama!"


5 comentários:

  1. Manika, obrigada por mais este texto inspirador.

    Como assim "Brahma adora drama!" ? Poderia falar um pouquinho mais sobre isso?

    beijão
    tati rosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amada! Te agradeço!

      Faz parte da mitologia indiana.

      Não me lembro exatamente a lenda, mas Brahma era procurado para resolver todos os problemas, e qdo arrumava um, outro começava. Ele poderia terminar com todos os problemas de uma vez.

      Então, um dos devotos pergunta para ele, por que vc não resolve toda esta confusão?
      Ele responde: Por que eu adoro drama.

      Eu interpreto o drama como movimento... a vida se caracteriza por esta autopoiese. Então, para haver movimento, vida, é preciso ter atrito, conflito... não demais, claro.

      Vc é bailarina, sabe disso melhor que eu... quem dança, desenha com o Sublime...

      No final das contas, acho que Brahma adora a vida...

      beijos

      Excluir
  2. Sim!! Adora a vida! lindo, Manika...

    óoun!
    Aproveito pra te contar que quando participei da constelação facilitada por ti, pensei que a qualidade de resposta (corporal, vamos chamar assim) que eu via entre as pessoas era a que eu desejaria sentir em improvisações em dança. Era tudo muito genuíno. Aprendi muito sobre a minha dança ali.

    beijão e obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...like the song of Krsna`s flute... (como atriz eu mudei tb... te entendo muito!)

      Excluir