3 de ago. de 2022

471) Um Lugar na Mesa do Amor

 

Quadro de John Gannam - Mexican Mother and Child

Um lugar na mesa do amor

Mônica Clemente (Manika)

 

Há coisas que fazemos na vida adulta, 

por hiatos na relação mãe e filho na infância.

 

Uma criança precisa dos cuidados práticos e afetivos da sua mãe para ter uma vida emocional satisfatória.

 

Se os cuidados de ordem emocional são negados, esta criança ficará desesperada pela atenção da sua mãe, fazendo qualquer coisa para ser aceita por ela.

 

Na vida adulta, esta necessidade a fará trabalhar mais do que precisa para ser aceita pelo patrão, clientes, cônjuge, filhos, colegas e amigos.

 

Fincará ela em amizades ou relacionamentos com pessoas que, a qualquer momento, farão cobranças ou retirarão o amor  se ela não atender às suas expectativas.

 

Se for mulher, pode buscar homens que tenham ou saiam com outras mulheres para lhes trazer a mãe que ela busca inconscientemente (Nem toda triangulação se baseia nesta dinâmica.)

 

Um hiato destes, pode fazer alguém buscar uma formação para ter o amor das pessoas e não pela sua vocação. 

 

E ter problemas de saúde sem solução, como mais uma tentativa de forçar a mãe a dar o que não conseguiu.

 

Alguns desenvolvem distúrbios alimentares. Ora não comendo nada para sumir como fazia a sua mãe. Ora comendo o mundo inteiro para preencher o vazio. 

 

É, também, por isso que as imagens de corpos sarados manipulados digitalmente afetam a autoimagem e a alimentação de adolescentes e adultos. 

 

Há neles uma criança em busca da aceitação da mãe, projetando esta necessidade na forma como acha que os outros a amariam. 

 

Em todos os casos há uma criança rejeitada pela mãe atuando nos bastidores, sem que houvesse um substituto adequado para aceitá-la com amor.

 

A solução para a mãe é o “violino”, como naquele filme “Os Camelos também choram”. Uma música triste a faz chorar os sofrimentos entre ela e a sua cria. Só então ela fica disponível.

 

Alguns violinos se chamam Astrologia, Psicanálise, Constelação Familiar, entre outros.

 

A solução para a filha ou filho adulto é aguentar a solidão de quem desiste de tentar agradar quem ama a qualquer custo, só para não ser rejeitada novamente. 

 

“Só” para conseguir um lugar à mesa do amor.

 

Por ser uma solidão avassaladora, restará a ela surgir das masmorras da autonegação e encontrar o lugar que sempre foi seu.

 

Mônica Clemente (Manika)

@manika_constelandocomafonte

 

#Mãe #amor #rejeição 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

472) Papai, você se importa se eu sempre amar você?

  Ilustração Snezhana Soosh Papai, você me ama? Mônica Clemente (Manika)   Mesmo quando eu acordo chorando pela minha mãe antes do Sol...