7 de jul. de 2022

460) Razão e a Sereia


RAZÃO E A SEREIA

Mônica Clemente (Manika)


Nem toda dureza é sem alma. 

Nem todo devaneio é sem sentido.

 

Nem um rochedo, feito de pedras e desfiladeiros, é tão sorrateiro e inflexível quanto os  que pensam ter mais razão, porque usam a palavra “cientifico” para criar preconceitos e não conhecimento.

 

Sobre a Alma, não sabem nada, mas as ondas nem ligam. Talvez nem sejam verdadeiras como as sereias. 

 

Esse aprendizado de pescador, das durezas se misturando com o devaneio, aparece nas paisagens como harmonia. Na boa ciência, como quebrar de paradigmas, e na poesia:

 

O MARINHEIRO (trecho da peça)

Fernando Pessoa

 

“TERCEIRA — As vossas frases lembram-me a minha alma...

 

SEGUNDA — É talvez por não serem verdadeiras... Mal sei que as digo... 

 

Repito-as seguindo uma voz que não ouço que mas está segredando... Mas eu devo ter vivido realmente à beira-mar... 

 

Sempre que uma cousa ondeia, eu amo-a... Há ondas na minha alma... Quando ando embalo-me... Agora eu gostaria de 

andar... Não o faço porque não vale nunca a pena fazer nada, 

sobretudo o que se quer fazer... 

 

Dos montes é que eu tenho 

medo... É impossível que eles sejam tão parados e grandes... 

 

Devem ter um segredo de pedra que se recusam a saber que 

têm... 

 

Se desta janela, debruçando-me, eu pudesse deixar de 

ver montes, debruçar-se-ia um momento da minha alma alguém em quem eu me sentisse feliz...".

 

Fernando Pessoa

 

Foto de Peter Russell - Salty Journal

 

"A lone breaking wave against the backdrop of Chapmans peak" 

 

http://peterrussell.co.za/

http://salty.fr/journal/

 

Mônica Clemente (Manika)

 

 

#ciencia #cientifico #razão #Sonho #Fenomenologia #fernandopessoa #bachelard 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

472) Papai, você se importa se eu sempre amar você?

  Ilustração Snezhana Soosh Papai, você me ama? Mônica Clemente (Manika)   Mesmo quando eu acordo chorando pela minha mãe antes do Sol...