10 de mar. de 2022

428) Amores Reais - Parte 1 e 2 - Escolhas ou Repitão ?

 


AMORES REAIS - Parte 1

Mônica Clemente (Manika)

 

Peço licença para contar uma história Real. 

 

Em 1936, o Príncipe Edward, futuro rei da Inglaterra, abdicou do reino para se casar com uma mulher que não era aceita pela corte real, pelos líderes políticos e pelo seu povo. 

 

Além disso, era véspera da II Guerra Mundial e Bessie Wallis Warfields era americana, estava casada pela 2a vez quando começou seu romance com Edward, e teria que se divorciar de novo para se casar com o herdeiro do trono inglês.

 

Tudo isso aliado a uma lei secular que durou até 2002: A Igreja Anglicana não permitia casamento de pessoas divorciadas que tivessem o ex-cônjuge vivo. 

 

Observe este imperativo mortal rodando na mente coletiva por séculos: para uma pessoa casar novamente alguém teria que morrer. Ou seja, Edward VIII só teria permissão para se casar com Wallis se os seus dois ex-maridos estivessem mortos.

 

Diante de todos estes obstáculos políticos, sociais e morais, Edward abdicou do trono para se casar com seu amor. O trono foi para seu irmão mais novo, Albert (Rei Jorge VI). Aquele que inspirou o filme “O discurso do Rei”. 

 

O casal proscrito recebeu o título de Duque e Duquesa de Windsor, sendo que ela jamais seria chamada de “Sua Alteza Real”, nem aceita pela família do seu príncipe.

 

Bert Hellinger descobriu que o amor flui na alma da família quando 3 princípios são observados: 

 

1.Pertencimento

2.Hierarquia

3.Dar e Receber

 

Estas ordens implicam umas nas outras e se uma ou mais delas não é seguida, as futuras gerações irão compensá-las inconscientemente, repetindo o destino daquele que foi 1.excluído, ou 2,desrespeitado ou 3.perdeu algo por conta de alguém.

 

Podemos sentir estas leis operando em nossas vidas:

 

O Rei Jorge VI, irmão de Edward, teve 2 filhas. A mais nova, princesa Margareth, amou um homem divorciado, com quem não pode casar e desde lá se afastou de sua família. 

 

E a Elizabeth II, a herdeira do trono, teve 4 filhos. O mais velho, Charles, precisava casar com uma moça com passado impecável, protestante e virgem. Mas ele amava Camilia Shand, casada e com filhos...

 

AMORES REAIS - Parte 2

 

A muito amada Princesa Diana e o cobiçado Príncipe Charles tiveram um casamento de contos de fada. 

 

Coincidentemente, Wallis, a esposa proscrita do Duque Edward - tio avô de Charles que abdicou do trono para se casar com Wallis -, era carismática a sua maneira, como foi Diana em seu tempo.

 

E rechaçada como Camila, a atual esposa de Charles, pesando sobre ela o escândalo de separar o casal real, como Wallis separou o futuro rei Edward do trono. 

 

Duas mulheres, numa futura geração, carregam a luz e o fardo da mulher excluída. A 1ª  parte desta história está na postagem anterior.

 

Depois de uma separação dolorosa, Charles assume seu amor por Camila, mas não podem se casar porque Diana estava viva. 

 

Charles, sobrinho-neto de Edward, só herdará a coroa porque o tio-avô abdicou do trono. E vira um “sapo”, depois da separação, carregando a “mesma” desaprovação que o tio carregou. 

 

Depois da morte de Edward e Wallis, o Empresário Mohamad Al-Fayed compra parte das suas propriedades. Ele é o pai de Dodi Al-Fayed, namorado de Diana, morto com ela em 1997 em um acidente de carro. O mundo sofre profundamente. 

 

Um carro fúnebre, seguido por 2 crianças, filhos de Charles e Diana, cumpre o imperativo secular e mortal: alguém tem que morrer para pessoas divorciadas poderem se casar novamente.

 

Charles, agora viúvo, poderia se casar com Camila, mas ela não. Porque seu ex-marido ainda é vivo e as regras da Igreja Anglicana sobre este assunto só mudariam em 2002.

 

O 2º filho de Diana, príncipe Harry, se casou com Meghan Markle, americana e divorciada como Wallis. Desta vez, o casal cumpre as núpcias com o apoio de todos, mas renunciaram à monarquia espontaneamente, como Edward e Wallis fizeram forçosamente. E falam mal da sua família, como Edward e Wallis faziam.

 

Este é um dos itinerários dos amores reais, a repetição do modelo de outras gerações, para nos sentirmos pertencendo (boa consciência). 

 

Ou como compensação de desordens que ainda buscam solução, mesmo que seja numa rota de colisão. 

 

Ou algo reverente que tem a humilde coragem de fazer “um pouquinho diferente”.

 

Mônica Clemente (Manika)

 

#AmoresReais #Boaconsciência #Familienstellen

 #OrdensDoAmor #constelaçãofamiliar #FamíliaReal

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

449) Os Ensinamentos de Vaisakha Purnima

Lua Cheia da Bem-Aventurança   Mônica Clemente (Manika)   Você pode conversar diretamente com a Lua como um aprendiz. Ela vai ensinar ...