27 de fev. de 2022

426) LIVE - As Potências Desconhecidas da sua Casa 12

  

LIVE - As Potências Desconhecidas da sua casa 12

Mônica Clemente (Manika)

Para usufruir da live, podendo descobrir os potenciais da sua casa 12, siga estas orientações:


👉🏽 Role o texto, até imagens ao final, para descobrir o regente da sua casa 12 (o signo que ela se inicia). E se tem planetas nela.


👉🏽 O signo e os possíveis planetas na sua casa 12 são as suas potencialidades desconhecidas. Falaremos delas na live!


👉🏽 Ou assista a este tutorial que eu preparei para você no youtube.

 

Roteiro da Live

 

00:00 Apresentação 

 

00:00 O que é Astrofenomenologia 

 

00:00 A Casa 12 - Potências Ocultas

 

00:00 Sol e Leão na casa 12

 

00:00 Lua e Câncer na casa 12

 

00:00 Mercúrio, Gêmeos e Virgem na casa 12 

 

00:00 Vênus, Touro e Libra na Casa 12

 

00:00 Marte e Áries na casa 12

 

00:00 Júpiter e Sagitário na casa 12

 

00:00 Saturno e Capricórnio na casa 12 

 

00:00 Urano e Aquário na Casa 12

 

00:00 Netuno e Peixes na casa 12

 

00:00 Plutão e Escorpião na casa 12

 

00:00 Quíron na casa 12 

 

00:00 Nódulos Norte e Sul na Casa 12

 

00:00 Planetas na casa 12 no Mapa Composto e na Sinastria

 

Aguardo você!

 

Caso não possa comparecer, a live vai ficar gravada no Instagram e vou tentar colocar no Youtube depois. Mas eu vou adorar se você estiver com a gente. e poderei responder algumas dúvidas.





 


Depois de Clicar nos 3 tracinos, em cima à direita (imagem superior), selecione a opção "language" e defina o idioma que quer usar no site (imagem a seguir).










Mônica Clemente (Manika)


#astrofenomenologia #astrologia #Casasastrológicas #Casa12 #ancestralidade #carnaval #festadacarne #autoconhecimento #autoestima

425) A Sua Casa 12 Astrológica

 

LIVE SOBRE O TEMA - 02-03-2022 - no INSTAGRAM @manika_constelandocom a fonte

A sua Casa 12 guarda as façanhas do que ainda não nasceu.

 

Todo mundo tem a casa 12 em seu mapa astral. Ela antecede o ascendente que é a hora do nascimento e início da casa 1. Portanto, a casa 12 fala da vida antes do parto, quando o seu coração batia junto ao coração da sua mãe. 

 

E quando você, que é o resultado do amor dos pais elevada à última potência, trocava células com ela e com os rastros de seus irmãos mais velhos, que um dia estiveram lá, mesmo que por um dia. 

 

Mas a casa 12 não fala “apenas” da sua gestação. Ela fala do que ainda não nasceu em você e, principalmente, do que os seus ancestrais “empurraram” para debaixo do tapete, sem resolver.

 

Lá estão todos os sentimentos, forças, fraquezas, vocação e eus - seus e das gerações passadas -, soterrados num esquecimento que atua sem seu consentimento.

 

Você pode começar a usufruir destas riquezas inconscientes ao compreender as mensagens simbólicas do signo que começa a sua casa 12.

Por exemplo, se seu ascendente é touro, muito provavelmente a sua casa 12 começa no signo anterior, que neste caso é Áries. 

 

Então, tudo o que se relaciona com Áries e seu regente Marte em seu mapa astral dará pistas do que quer nascer, mas não teve chance de vir à tona. Na verdade, veio à tona, mas parece que joga contra. 

 

E não é isso que fazemos quando queremos ser vistos? Ficamos do contra?!

 

É por isso que as pessoas com o Sol nesta casa se sentem perdidas por anos, até começarem a tirar os nós que as atam às histórias não resolvidas dos pais, avós e até ancestrais mais antigos.

Da mesma maneira, elas só descobrirão suas vocações depois dos 40 anos, porque o que vieram fazer ainda não nasceu. 

 

E o que ainda não nasceu precisa que elas nasçam antes, já que são as parteiras do novo tempo por morarem na casa da gestação. 

 

A Vênus e outros planetas na casa do inconsciente coletivo nos contam sobre as façanhas que aguardam a nossa atenção.

 

Se quiser fazer sua astrofenomenologia comigo, me escreve um e-mail para o manikastrologia@gmail.com

 

Mônica Clemente (Manika)

@astrofenomenologia

 

#astrofenomenologia #manikastrologia #astrologia #casadoze #mapaastral #ancestralidade #inconscientecoletivo #emaranhamentos


424) Eros, Ágape e o Amor Pessoal até o Casamento

 


Existe 3 tipos de Amor:

Eros que é um amor impessoal buscando os parceiros para resolver algo que os ultrapassa.

Ágape que é o amor universal que diz “ama teu próximo como a ti mesmo”.

E o Amor pessoal, quando alguém em sintonia fina com o que a guia, fica apta para reconhecer Eros, Ágape e o Amor.

Segundo os trovadores do século XII, o amor pessoal começa pelos olhos até atingir o coração.

No mito de Eros e Psique, Afrodite é quem instrui Eros a buscar Psique vendada para sacrificá-la.

Ele se apaixona pela mortal, que não o vê. Quando ela resolve enxergar Eros, descobre que o ama de verdade e sua jornada de autoconhecimento se inicia.

Este mito começa com o aspecto coletivo do amor, representado pela deusa Afrodite, mãe de Eros, tentando resolver algo por meio do seu filho, que ultrapassa os amantes.

E “termina” no amor pessoal, quando Psique, uma mortal, ao descobrir o Amor, se desenvolve a partir dele, transformando o próprio deus Eros.

Em outra lenda medieval, o amor pessoal dos mortais já é possível sem interferência dos deuses, mas ainda não pode se concretizar no casamento.

Ainda assim, Tristão e Isolda não aceitam violar o coração em nome das regras da época, que forçava Isolda a se casar com outro homem para manutenção do poderio de suas famílias.

O amor pessoal, então, começa no Ocidente no século XII, nas canções dos trovadores, mas só será um tema do casamento no século XX.

Ou seja, ter a “permissão” do estado, igreja, cultura, família e, principalmente, de si mesmo para se casar por amor é muito novo, corajoso e uma provação.

Porque o casamento por amor se sintoniza com a própria vida. Se houver dor no amor é a dor da própria vida.

Então, como disse Joseph Campbell, “qualquer caminho que eu escolha, deve ser escolhido nesses termos; ninguém nem nada deve assustar-me e demover-me da escolha. Não importa o que aconteça, isso é a validação de minha vida e da minha ação.”

Mônica Clemente (Manika)

@constelacoes_mitologicas

#JosephCampbell #Eros #Psique #Mito #Mitologia #amor #Tristão #Isolda #Casamento #constelaçõesmitológicas


22 de fev. de 2022

423) The China Study - Um livro que Salva Vidas

 


The China Study - Um Livro que Salva Vidas.


Eu queria muito indicar este livro para você, porque ele salva vidas, literalmente. O nome do livro é “The China Study” de Campbell e Campbell.

 

Não só porque a gente deve tê-lo em uma prateleira da cozinha, bem à nossa mão, mas porque ele foi indicado pelo próprio Bert Hellinger, criador das constelações familiares, por conta de um câncer que ele curou graças às descobertas do Dr. T. Colin Campbell e os outros cientistas citados na obra.

 

Eu fiquei impactada com a consistência e seriedade de mais de 50 anos de estudos, detalhados no livro, e com as pesquisas científicas robustas sobre saúde, estilo de vida e alimentação.

 

Não sei se você sabe, sou da área das Ciências da Saúde – formação em Educação Física, por conta da minha paixão pelo yoga, desde os 14 anos. E fiz pesquisas, no meu doutorado em Ciências da Saúde, sobre yoga e saúde. Toda pessoa que pratica yoga acaba mudando os hábitos alimentares. É um dos efeitos desta prática.

 

Conto isso para dizer que tenho uma certa habilidade em analisar se um estudo científico na área da saúde é bem embasado, ou se é mais um modismo que faz a gente comprar coisas e enriquecer a indústria do “bem-estar” e “qualidade de vida” (duas esferas essenciais de nossa vida).

 

Na era da Informação, então, acessar conhecimentos bem fundamentados, principalmente por pesquisas científicas robustas, é como encontrar uma agulha do palheiro.

 

“The China Study” de T.C. Campbell e Thomas Campbell, é a agulha reluzente do meio de tanta desinformação sobre a relação saúde e alimentação.

 

Não é mais um livro sobre “a mais nova dieta da moda que vai mudar sua vida”. É um compendio fácil de ler, com 50 anos de descobertas sobre a prevenção de doenças, promoção de saúde e a erradicação de doenças da vida moderna através da alimentação.

 

Tudo começou em 1980, quando o professor TC Campbell teve acesso a um Atlas Chinês - e seu criador Junyao Li. Nele havia pesquisas minuciosas sobre cada condado Chinês e seus estilos de vida, com entrevistas exaustivas, coleta de sangue e urina.

 

O atlas reunia um “laboratório único” para relacionar saúde com os modos de vida, afinal, cada povoado rural tinha poucos habitantes, uma rotina característica só daquele grupo de pessoas, com doenças bem específicas, ou falta delas. 

 

E, como viviam em zona rural, com práticas tradicionais de mais de mil anos, sem agrotóxico ou poluição e com uma rotina de atividade física, o estudo podia focar, sem muitas variáveis, na ação da alimentação na saúde das pessoas.

 

Eles descobriram, por exemplo, que numa destas regiões 10% dos homens morriam de câncer de fígado, enquanto numa região próxima, com hábitos diferentes, ninguém sofria do mesmo mal.

 

As duas regiões, no entanto, compartilhavam DNAs “parecidos”, uma vez que todos eram chineses. Então, como explicar as diferenças em relação à saúde?

 

Ao reunir todos os dados, inclusive genéticos, os pesquisadores da China e da Universidade de Cornell e Oxford, encabeçados por Campbell, descobriram que a tão homenageada proteína animal, mesmo a mais naturalmente criada, era a causadora dos males de todas as regiões.

 

Campbell, que nasceu numa fazenda leiteira dos EUA, e debochava dos vegetarianos teve seu “turn point”, uma virada de vida, para nunca mais ver o mundo com as lentes desfocadas que insistem em dizer que uma boa alimentação é igual a comer muita proteína animal ou excesso de qualquer proteína. 

 

Esta informação deixa todo mundo tonto, porque desde a década de 1960 as pesquisas e comunicações científicas espalharam a ideia de que saúde é igual à proteína animal e que todos os problemas de saúde dos países subdesenvolvidos são causados pela falta desta proteína.

 

Dr. Campbell, inclusive, decidiu ser cientista para ajudar a levar a proteína animal a vários destes países. E neste percurso encontrou novos dados que mudaram sua vida e pesquisa para sempre.

 

Estas descobertas o fizeram fazer uma revisão bibliográfica, com mais de 700 pesquisas, que corroboraram com os dados do Estudo da China.

 

E ele mesmo descobriu o gatilho do câncer, ligando e desligando a progressão desta doença, graças uma experiência que teve nas Filipinas. Crianças pobres e ricas daquele país consumiam, sem saber, amendoim cheio de mofo, considerado o segundo maior cancerígeno descoberto. Mas só as crianças ricas desenvolviam câncer, enquanto as pobres não tinham a doença.

 

Nesta época, o Dr. Campbell entrou em contato com uma pesquisa na Índia, que ele mesmo replicou depois. Ao alimentar ratos, contaminados com cancerígenos, com 20 % de proteína animal, eles desenvolviam câncer. Ao substituí-las por 5% de proteína vegetal, o câncer regredia e se curavam. Da mesma forma, as crianças ricas das Filipinas tinham acesso à proteína animal, as pobres não.

 

Sua pesquisa, a princípio, focada na cura do câncer, se expandiu para todas as doenças ocidentais modernas, como doenças cardíacas, autoimunes, diabetes tipo 1, problemas de estômago e muitas outras. E todas elas eram fruto de anos de alimentação não integral, cheia de óleos e muita proteína animal.

 

Por tudo isso, Campbell é enfático em dizer que a melhor dieta para a vida longeva e saudável é a baseada em plantas e integrais. Por isso não usa os termos vegetarianos ou veganos, porque estas dietas não focam, necessariamente, no integral e usam muita gordura.

 

Sua generosidade, no entanto, é mais do que suas descobertas. Ele quis disponibilizar estes conhecimentos num livro fácil de ler. 


“The China Study” nos mostra as pesquisas para que os véus que nos cegam comecem a cair. Assim, podemos pensar juntos um horizonte de esperanças para a cura das doenças crônicas e fatais mais temidas que enfrentamos atualmente.

 

Apesar de ter ajudado muitas pessoas e de mais de 2 milhões de cópias vendidas, The China Study não foi traduzido para o português. Tem a tradução em espanhol “El Estudio de China (2013)”.

 

(Eu comprei o livro digital e copiei cada página, colocando no google translate. Também busquei vídeos no Youtube, acionando as legendas automáticas em português.)

 

E tem um segundo livro “A dieta Campbell”, em português, que traz um resumo das pesquisas e coloca em prática, na nossa cozinha, os 50 anos de pesquisa.

 

Mas o “The China Study” é único.

 

Lembre-se, o livro é para gente tirar os véus dos nossos olhos ao acessar descobertas que podem nos fazer ser muito mais saudáveis. Mas é com um bom nutricionista que podemos aplicar, com segurança, qualquer mudança alimentar.

 

Como dizia o pai da medicina, Hipócrates: “que seu remédio seja seu alimento, que seu alimento seja o seu remédio”

 

Namaskar

Manika



14 de fev. de 2022

422) A Força que nos Conduz

 


A Força que nos Conduz

Mônica Clemente (Manika)

 

Existe um padrão atuando durante as buscas verdadeiras. Ele revela uma força que conduz as pessoas afins para perto uma das outras, como se fossem notas de uma mesma sinfonia. 

 

Eu o conheci ao longo dos anos, quando as pessoas que eu atendia traziam histórias que se complementavam entre si. Digamos que uma jovem, cujo nome é “Amor”, me falasse no atendimento de astrologia da manhã, sobre um avô que teve duas esposas, sendo a segunda a sua avó.

 

E que ela não sabia quem é e o que aconteceu com a primeira esposa, mas durante o atendimento percebesse sua conexão com aquela mulher excluída.

 

À tarde, por exemplo, eu estaria atendendo uma senhora numa Constelação Familiar, que não conheceu o pai, mas soube que ele teve outra família e uma neta chamada “Amor”, que é o mesmo nome da sua mãe. 

 

Eu não saberia se essas pessoas teriam ou não uma conexão sanguínea, mas elas teriam uma forte conexão simbólica. E estariam se buscando em voz alta, como dois corações perdidos se buscam no escuro, mais perto do que podem imaginar.

 

Noutra tarde, por exemplo, atendo um homem que me diz o tipo de companheira ou companheiro que quer para ele. Um dia depois, uma pessoa com as características descritas pelo homem vem fazer um atendimento comigo, e me diz que busca um parceiro com as características do homem do dia anterior.

 

Na próxima semana, os temas das sincronicidades mudam, mas elas estão ali exatamente como as descrevi, embora eu tenha mudado os dados para resguardar o sigilo.

 

Essas coincidências, me parece, são regidas por uma força que não conhece as fronteiras do tempo, do espaço, da exclusão e do esquecimento.

 

Uma força como o amor (naquele filme chamado Interestelar).

 

Por isso, eu queria incentivar às pessoas a falarem dos seus amores em voz alta, como acontece nas terapias, porque aqueles que se correspondem são trazidos para perto e, assim, podem se encontrar. 

 

Feliz Dia dos Namorados!

 

Mônica Clemente (Manika)

 

#DiaDosNamorados #amor #Padrão #Coincidência #Sincoronicidade #Interestelar #Atração #AmorCego #AmorQueVê #familienstellen #CinemaEConstelaçãoFamiliar 

 

449) Os Ensinamentos de Vaisakha Purnima

Lua Cheia da Bem-Aventurança   Mônica Clemente (Manika)   Você pode conversar diretamente com a Lua como um aprendiz. Ela vai ensinar ...