16 de mai. de 2021

295) A colonização começa sobre o Corpo da Mulher

 


A colonização começa sobre o Corpo da Mulher

Mônica Clemente (Manika) 

Em “A terra dos mil povos”, do escritor indígena Kaká Werá Jacupé (2020), ele “desenha para nós” a verdadeira história da colonização: 

“1534 (...) atentado contra a mulher indígena, a posse da terra e a liberdade dos índios” (Werá, 2020:76). 

Embora a ordem dos fatos seja evidente: “mulher, indígena, terra e liberdade”, entendemos que os atentados contra a mulher são efeitos da colonização e não a sua razão. 

Foi então que inverti a lógica e elaborei este pressuposto: a 1a apropriação indevida dos colonizadores não foi sobre a Floresta. Foi sobre o corpo da mulher.  

Assim, deram aval em praça pública para abusar das outras presenças conectadas a ela: 

A Natureza, o Mistério, a Diversidade, a Floresta e seus povos...  

Angela Davis também falou do abuso dos escravocratas sobre o corpo das mulheres escravizadas para manutenção do poder. 

E a Silvia Federici ainda dá outra pista: a mentalidade predatória da nossa civilização foi possível graças à caça às bruxas entre 1560 e 1660. 

Uma mentalidade culturalmente disseminada, entre vizinhos em pé de guerra, que colocavam a culpa dos seus infortúnios em tudo o que se referia ao feminino.

Será que ao subjugar a mulher, torturando-a em praça pública para confessar seus feitiços, eles tentavam controlar a indefinição da solução de seus problemas, projetada no feminino, princípio misterioso da Natureza? 

Porque, ironicamente, a ciência moderna nascia com a mesma premissa de torturar a natureza para arrancar dela os seus segredos (Bacon 1562- 1626). 

Como se esta alegação de dominação fosse o efeito borboleta das atrocidades cometidas aqui desde 1500. 

E até hoje, as mulheres, florestas e seus povos continuam sendo queimados, metafórica e literalmente, enquanto o diabo mora tranquilamente no detalhe insignificante de um ponto de vista: 

Os abusos contra a mulher não são os danos colaterais de sociedades erguidas a partir das guerras e do medo, são o aval para todas elas. 

Bibliografia 

A Terra dos 1000 povos - #KakáWerá

The Woman Awakening – #PrabhatR.Sakar

Calibã e a Bruxa - #SilviaFederici

O Cálice e a Espada - #RianeEisler

Mulheres, Raça e Classe - #AngelaDavis

A Vida não é Útil - #AiltonKrenak

 

#PovosOriginários #MulherIndígena #Colonização #Feminino #Mulher #Corpos #Natureza #MãeTerra #Gaia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

301) TAO - Como saber se estamos no nosso caminho?

  Como nos ensina o sacerdote Taoísta Hamilton Fonseca Filho , existem tesouros que nos ajudam a saber se estamos em nosso caminho, o nosso ...