7 de fev. de 2021

250) Liberdade X Completude

 


Liberdade e Completude

Nietzsche desmonta a ideia de livre-arbítrio nos conduzindo por um mundo que é a soma e as lutas das nossas pulsões e afetos, se expressando em nossas ações e em quem somos, mais do que nossas ações são expressões das nossas escolhas livres e racionais.

Para fazer o desmonte, parte da ideia de que não existe um sujeito da ação, porque não há uma identidade fixa, nem imutável e refratária às relações e a tudo o que o atravessa.

Não há, portanto, um eu puro ligado somente à razão, que age livremente, sendo capaz de uma grande objetividade para fazer escolhas.

Para ele há organismos nascidos na luta de pulsões e instintos, com uma multiplicidade de poderes, que resistem umas às outras, fazendo-os agir numa dada direção.

A própria capacidade discursiva e racional é a expressão desta luta.

Sendo assim, a ação para Nietsche não surge de escolhas racionais nem livres.

A ação surge de seres, como nós, que não são divididos entre razão e pulsões, nos quais o consciente é mais uma das diversas expressões das pulsões e afetos.

Sendo assim, a ação não é um efeito de uma luta. A ação é a expressão desta luta da vida pulsional, no domínio dos nossos afetos.

O Hellinger também questiona a noção da liberdade em toda sua obra.



Até quando fala na dificuldade de segurar a Grande Felicidade, porque ela vincula, conecta, e surge da capacidade de manter as relações que nos atravessam.

Não porque escolhemos estar em relações com a vida, mundo, pessoas, mas porque surgimos delas.

É nesta rede de tensões, sua ordem e desordem, que somos plenos e  não por meio do livre-arbítrio, um conceito criado por quem quer julgar e (se) culpar, segundo Nietzsche.

Afinal “se você escolheu algo” como um parceiro agressivo, fumar ou deprimir, “cadê a força de vontade para mudar?”

Nunca vi ninguém mudar algo em si pelos métodos de ultra controle do livre-arbítrio, força de vontade (que nega os instintos) ou se perguntando por que atraiu tal destino.

Mas sim porque se permitiu deixar aquilo que o atravessa atuar.

#Nietzsche #Hellinger #Liberdade #Plenitude #LivreÁrbitro


——
Indico a palestra NIetzsche e a Negação do Livre-arbítrio de João Constâncio e André Martins no Café Filosófico.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

266) Calor Humano - A Menina dos Fósforos

  Uma situação reveladora é quando perguntamos como eram os avós em relação ao pai ou mãe da pessoa. Ou se aconteceu algo muito difícil com ...