13 de jan. de 2021

242) Sobre (Não) Ver e (Não) Ser Visto



Há mais de 10 anos estávamos em uma Constelação Familiar (Familienstellen), sendo eu a facilitadora. Vou alterar alguns dados, sem mexer no sentido, para preservar a força do presente que recebemos, mas poder usufruí-lo. 

Uma pessoa, que chamarei de A, estava envolvida com B, que já não a queria mais. O representante de A (o “constelando/a”) e de B (o “novo parceiro/a” desinteressado) se colocaram no centro do palco, se deixando guiar pelos movimentos, que nos conduziam a todos. 

Depois de algum tempo, perguntei o que A sentia: 

- Eu gosto de B de verdade, mas não consigo ir para ele/a. Algo me prende. 

O representante B disse: 

- Não vejo ninguém ali. Quero partir. 

A, então, disse que teve um relacionamento antigo que o marcou muito. 

Colocamos um novo representante, que chamarei de C, para este parceiro ou parceira anterior. 

Quando C entrou, A começou a chorar. Disse que ainda o/a amava muito, mesmo aceitando o fim daquela antiga relação. 

Por mais que A estivesse aliviado com a presença de C, ainda não conseguia se mover, assim como B ainda não o enxergava. 

De repente, o representante de A se deixou guiar por algo que atravessava o grupo inteiro e falou para C: 

- Eu te amo, eu ainda te amo, amo, amo muito. 

“A” não só reconheceu o amor preso em sua garganta, depois da rejeição que sofrera, como falou isso olhando nos olhos de C. 

À medida que sua voz preenchia nossos corações, B começou a enxergá-lo. Já não sabia se queria ir embora como antes. E mesmo vendo que A gostava de C, se encheu de coragem para estar com aquela pessoa. 

Nos foi revelado que o constelando/a, ao tentar sufocar o antigo amor, acabou se apagando e desaparecendo também. 

Só quando o reconheceu renasceu em seu esplendor. 

Foi assim que eu aprendi sobre o impacto do que chamamos de coração quebrado. 

É a fenda por onde continuamos transbordando no mundo, sem tirar nada da gente além do que tentamos excluir. 

Se deixamos o amor, que uma vez esteve lá, fluindo, ele mesmo nos levará à uma nova relação. 

#Familienstellen #BertHellinger #ConstelaçãoFamiliar #OAmorPodedarCerto #RelaçãoDeCasal #VerSerVisto

 

 

 

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

369) O Beijo e o Amor

  Esta linda frase é de um amigo do meu psicanalista Eugenio Davidovich. Eu a escutei no divã há mais de 12 anos. Por isso eu a atribuo ao E...