13 de jan. de 2021

243) Barba Azul em "The Undoing"

 


A minissérie The Undoing, na HBO, é baseada no livro “You Should Have Known” de Jean Hanff Korelitz.

Embora sua produção seja de primeira, eu achei a série bem ruim. Então ficarei com a sua premissa, muito importante de compreender, que é a mesma do conto Barba Azul.

No conto de fada, uma moça é cortejada por um homem adorável, mas que tem algo estranho. Ela não leva em consideração os seus sentidos nem sua voz interior, que diz que há algo errado e que todos podem ver: UMA BARBA AZUL.

Um dia, já casada, descobre esqueletos no porão da casa, o que comprova sua antiga suspeita de que seu marido fez mal à muitas mulheres e fará com ela também.

Só então, na eminência de um grande perigo, pede ajuda aos seus 4 irmãos. Numa possível interpretação junguiana, eles representam o acesso da mulher aos conteúdos positivos do seu animus para sair de relações abusivas.

E eu acrescento que são também a formulação de outra questão, além da pergunta “por que uma mulher fica numa relação abusiva?”, que é:

Por que a sociedade vê a “Barba Azul” (o perigo) e não faz nada para mudar? Por que um homem pode abusar das mulheres sem maiores consequências?

No “HISTÓRIAS QUE ATUAM: a Constelação Familiar do Conto de Fada Preferido”, se este conto surge, descobrimos que homens machucaram mulheres.

E a pessoa que está conectada com o conto precisa aprender a ver a “Barba Azul” e confiar no que vê, porque seu sistema familiar e a sociedade não protegeu as mulheres de sua família dos abusos, mesmo vendo o que acontecia.

Na série, a psicóloga interpretada por Nicole Kidman atende pessoas que sabem que estão numa relação com alguém que fará mal a elas, mas negam o que veem

Então a trama vai tratar da tomada de consciência de uma mulher que nega o que está óbvio. E que tem todo um aparato social que contribui para ela se manter cega.

Tanto na série como em Barba Azul há 2 aspectos que não podem se apagar mutuamente:

1) uma pessoa e uma sociedade que veem algo estranho,

2) mas que fazem de tudo para negá-lo, porque mudaria muita coisa e é difícil mesmo arcar com desconforto de contrariar o que esperam da gente, pessoal e coletivamente.

 

 

242) Sobre (Não) Ver e (Não) Ser Visto



Há mais de 10 anos estávamos em uma Constelação Familiar (Familienstellen), sendo eu a facilitadora. Vou alterar alguns dados, sem mexer no sentido, para preservar a força do presente que recebemos, mas poder usufruí-lo. 

Uma pessoa, que chamarei de A, estava envolvida com B, que já não a queria mais. O representante de A (o “constelando/a”) e de B (o “novo parceiro/a” desinteressado) se colocaram no centro do palco, se deixando guiar pelos movimentos, que nos conduziam a todos. 

Depois de algum tempo, perguntei o que A sentia: 

- Eu gosto de B de verdade, mas não consigo ir para ele/a. Algo me prende. 

O representante B disse: 

- Não vejo ninguém ali. Quero partir. 

A, então, disse que teve um relacionamento antigo que o marcou muito. 

Colocamos um novo representante, que chamarei de C, para este parceiro ou parceira anterior. 

Quando C entrou, A começou a chorar. Disse que ainda o/a amava muito, mesmo aceitando o fim daquela antiga relação. 

Por mais que A estivesse aliviado com a presença de C, ainda não conseguia se mover, assim como B ainda não o enxergava. 

De repente, o representante de A se deixou guiar por algo que atravessava o grupo inteiro e falou para C: 

- Eu te amo, eu ainda te amo, amo, amo muito. 

“A” não só reconheceu o amor preso em sua garganta, depois da rejeição que sofrera, como falou isso olhando nos olhos de C. 

À medida que sua voz preenchia nossos corações, B começou a enxergá-lo. Já não sabia se queria ir embora como antes. E mesmo vendo que A gostava de C, se encheu de coragem para estar com aquela pessoa. 

Nos foi revelado que o constelando/a, ao tentar sufocar o antigo amor, acabou se apagando e desaparecendo também. 

Só quando o reconheceu renasceu em seu esplendor. 

Foi assim que eu aprendi sobre o impacto do que chamamos de coração quebrado. 

É a fenda por onde continuamos transbordando no mundo, sem tirar nada da gente além do que tentamos excluir. 

Se deixamos o amor, que uma vez esteve lá, fluindo, ele mesmo nos levará à uma nova relação. 

#Familienstellen #BertHellinger #ConstelaçãoFamiliar #OAmorPodedarCerto #RelaçãoDeCasal #VerSerVisto

 

 

 

 


9 de jan. de 2021

241) Como Manter o Volante da nossa Vida em Nossas Mãos

 


Foto Colagem Eugenia Loli
 

Agora é hora de dar a mão a quem perdeu a rota, mas sem se afundar junto. No dia 6 para 7 de janeiro de 2021, Marte entrou no signo de Touro, plataforma na qual ele se sente impotente.

 

Como Marte odeia se sentir fraco e é impaciente, começa a se debater na “areia movediça” de suas escolhas equivocadas. E vocês sabem, para nos salvarmos da areia movediça precisamos ficar parados. E para ajudar quem está lá dentro ficamos do lado de fora.

 

Então, neste trânsito astrológico, aquelas pessoas que já estavam perdendo seu rumo tendem a criar mais problemas para si e suas relações.

 

Se a parceira ou parceiro da pessoa que começou a derrapar puder se manter mais centrado e firme, e cultivar a benevolência no coração, poderá ser o Farol da embarcação perdida.

 

Digo benevolência, porque é preciso aceitar com brandura que todos nós, em algum momento, nos perdemos e precisamos de alguém que nos sacuda do pesadelo. E firmes para poder deixar claro alguns limites que a pessoa desorientada não consegue ter.

 

Ou seja, se o nosso parceiro ou parceira começou um processo de perder tudo o que construiu, não é hora de julgá-lo, nem de brigar. Ou pior, ficar desorientado junto. Alguém tem que pilotar o avião na tempestade. É hora de ajudá-lo ou ajudá-la a não causar mais danos para ninguém. 

 

Às vezes é impossível lidar com o desgoverno da pessoa em rota de colisão. Então temos que aceitar a nossa impotência, como Marte em Touro, e soltar a mão.

 

De qualquer maneira, ainda não sabemos o que fazer! Por isso entregamos a situação para uma Inteligência Maior, pedindo proteção e solução. E, se for o caso, buscamos ajuda profissional, mantendo as rédeas das escolhas em nossas mãos.

 

Falando de outra maneira: não decidimos mais nada levando em consideração o destrambelhamento da outra pessoa. Somos nós o governo do destino que queremos, mesmo que seja um passo de cada vez.  

 

 

#Astrofenomenologia #Astrologia #Marte #Touro #RelaçãoDeCasal 

#TrânsitosAstrológicos 

 



8 de jan. de 2021

240) Como Atuam as 7 Camadas da Mente


 

Camadas da Mente segundo o Yoga

Comentário sobre um trecho da minha tese de doutorado Yoga e Vigor

A nossa existência é pluridimensional, segundo o yoga, como as pétalas de uma flor! Vamos conhecer estas camadas pela perspectiva desta filosofia milenar: 

1.    1ª Camada é o Corpo feito de comida ou Annamaya kosa em sânscrito - é a camada mais externa da corporeidade humana, composta de 5 fatores fundamentais: terra, água, fogo, ar, éter. 

    Cada fator desses é conectado com um centro de energia, que se conecta com as outras dimensões da mente e suas propensões por meio dos hormônios.  

O que comemos, como eliminamos, os exercícios que escolhemos, o nosso sono nos conectada com as outras camadas e a natureza. Ou não. 

 

2.    2ª Camada Corpo dos desejos físicos ou Kamamaya Kosa – esta camada da mente tem 3  funções: a) sentir os estímulos externos pelos órgãos sensoriais (indriyas); b) ter desejos a partir destas destes estímulos; c) agir no intuito de materializar estes desejos usando as indriyas motoras, nossos órgãos motores.  

Ela controla as 10 indriyas: 5 órgãos sensoriais - olhos, ouvido, nariz, língua e pele. E os 5 órgãos motores - mãos, pés, cordas vocais, órgão genital, e excretor.  

O sentimento de “Eu” (si mesmo) não existe aqui. Então, bem estabelecidos aqui seguimos nossos instintos. Mas um adulto que se move a partir desta camada em busca de relações e vocação, ainda não está em sintonia com o que quer e o que é.  


3.    3ª Camada metal subconsciente ou Manomaya Kosa – as experiências do Si Mesmo, aparecem aqui. Tem 4 funções: 1)memória cerebral e extra-cerebral, 2) contemplação – busca de informações, soluções, pensamento científico e filosófico, 3) experiência de dor e prazer e 4) sonhos.  

Se estabelecer aqui exige muito de nós, como estudos, experiências de vida, relações com o meio e outros seres. O ego aqui é bem forte, mas deve saber que somos mais do que esta camada. Do contrário começamos a nos levar à sério demais. 


4.    A 4a camada é a 1ª Camada da mente super consciente ou Atmanasa kosa – ela transcende as amarras do tempo, espaço, pessoa, acessando passado, presente e futuro. 

Aqui realizamos a verdadeira presença e acessamos informações ancestrais e futuras (possibilidades). 

Como diz Jung (2006:353), não há como “contestar que ao menos uma parte de nossa existência psíquica se caracteriza por uma relatividade de espaço e tempo. À medida que nos afastamos da consciência, esta relatividade parece se elevar até ao não-espacial e a uma intemporalidade absolutas”. 

 

5.    5a Camada ou a 2ª Camada super consciente, a Mente subliminar ou Vijnananaya kosa – tem 2 funções relacionadas entre si: 1) discernimento entre o que é eterno e o que não é (viveka), e 2) desapego, graças ao discernimento (vaerágya). 

Aqui percebemos as ondas emanadas de tudo o que existe, das quais as outras camadas percebem só algumas frações.  

Por exemplo, ao olhar um livro, a ideia dele é apreendida com a ajuda de uma vibração que cria sua imagem na mente. Se os olhos estão fechados, ainda se pode reconhecer o livro através do toque. Se o livro cai no chão, sabemos pelo som que um livro caiu.

Aqui captamos os campos de informações pelas vibrações e ondas, anterior à forma. É como disse o Rilke: “o ser se sente na véspera de ser escrito”.

 

6.    6a Camada dourada, extática ou espiritual ou Anandamaya kosa (Iyengar) ou Hiranamaya Kosa (Sarkar) – aqui o sentimento de “eu” não existe mais para que haja uma atração fortíssima para a Suprema Subjetividade.  

O desejo de união (yoga) é incontrolável, ocorrendo a subjetivação máxima com o Si mesmo (Átman). 

É a atração desta camada que nos faz querer expandir sempre. E isso exige esforço - sádhana. Por isso que ninguém consegue de fato meditar, mas fazer sádhana até um dia entra em estado de meditação. 

 

7.    A Suprema Subjetividade está além das camadas: É o Átman que vai sendo  condensado em tudo o que é manifestado. Segundo os yogues, aqui nos estabelecemos na bem-aventurança absoluta. 

 

(Comentários sobre um trecho da minha tese: Yoga e Vigor - Mônica Clemente (Manika))

 

#Yoga #Kosas #CamadasDaMente #Multidimensionalide #PRSarkar #SusanAndrews 

 

239) Simbiose - como entramos e saímos de laços inadequados

 


Depois de uma certa idade não precisamos mais de laços estreitos para sobreviver. Mas há, como observou Eric Berne, transações que perpetuam a simbiose.

Uma delas é o Estado de Ego “Pai/Mãe Crítico” numa pessoa, tentando transformar o Estado de Ego “Criança Livre” em “Criança Adaptada Submissa ou Rebelde” em outra pessoa. E vice-versa!

Sem deixar que outros Estados de Ego (Pai Protetor, Adulto, Criança Livre) entrem nas transações. Vou dar um exemplo: 

A mãe diz para filha ou a filha diz para a mãe:

- Eu não sei como você vive com estas cortinas fechadas. Eu preciso de luz, de ar. (Esta fala está no Estado de Ego Pai Crítico no circuito negativo)

- Você vive me criticando! Por isso não gosto da sua presença aqui em casa (Criança Rebelde com Pai Crítico)

- Que horror! Só queria ajudar. (A Vítima chamando para o Triângulo Dramático).

Chega uma hora em que a conversa vai gerar culpa nas duas, prendendo-as na amargura. Logo em seguida, sentirão medo da solidão e escolherão manter a relação do mesmo jeito. Melhor ter carícias negativas do que não ter nenhuma...

Mas há saídas, se trouxermos outros Estado de Ego para dentro da conversa:

- Eu não sei como você vive com estas cortinas fechadas...

- Sim, não sabe. A janela do seu quarto dá para o mar. A minha dá para um prédio onde todos podem ver Netflix na minha TV. Vem, te mostro? (Estado de Ego Adulto - qualificou o que foi dito. E Criança Livre - fez uma brincadeira).

- Então por que não muda o lado da cama? (Pai Crítico novamente, na tentativa de forçar o outro a entrar na Criança Adaptada que tem que aceitar a sugestão).

- Porque a outra parede tem a fiação elétrica. Preciso dela livre. Tá vendo? (Estado de Ego Adulto)

- Faz uma obra! (Não desiste de forçar a simbiose para o outro depender dela.)

- No Covid? (Adulto)

- Se você quer ficar com as janelas fechadas...! (Pai Crítico)

- Quer sorvete? (Muda a conversa totalmente, porque percebeu que não vai conseguir puxar outro Estado de Ego da outra pessoa).

Existem outras transações que a gente aprende na formação de Análise Transacional AT202 . Para fazê-la é preciso fazer o delicioso e rápido curso AT101 - indico Regina Silva (11) 99111-7136

238) Vênus Regendo 2021


A partir de 20 de março de 2021 

o ano astrológico será regido pela Vênus.


Neste Vídeo 

eu falo um pouco sobre as potencialidades deste arquétipo, se o analisamos em sua mitologia.


243) Barba Azul em "The Undoing"

  A minissérie  The Undoing, na HBO , é baseada no livro “You Should Have Known” de Jean Hanff Korelitz. Embora sua produção seja de primeir...