15 de out. de 2020

198) A importância dos sonhos diurnos das artes e meditação

 


 

Para sentir é preciso aguentar o oceano de imagens às avessas. Quem vê de fora, parece que estamos boiando. Para boiar é preciso entrar em contato com os sonhos. Quem vê de fora, parece que estamos vívidos!

 

Quando Ray Bradbury escreveu o conto de ficção científica Bright Phoenix (1948), estávamos nos entregando às delícias da televisão.

 

Qual era? 

Ela sonhava por nós, com suas imagens sobrepondo nossa imaginação.

 

Já não precisávamos mais confrontar-nos com as imagens do inconsciente, perdendo, sem saber, a capacidade dos sonhos noturnos, treinos dos sonhos diurnos. 

 

O sonhador não é alguém passivo, está sempre em exercício porque “a alma humana quando sonha, é a um só tempo, o teatro, os atores e a plateia” (Joseph Addison). E porque nós somos bichos da imaginação, narrativas  vivas do inconsciente. Sem acesso ao mundo interior ficamos como zumbis.

 

Na ficção de Bradbury, preocupado com os efeitos de sonharem por nós, as bibliotecas seriam queimadas. E os rebeldes que decoraram os clássicos para mantê-los vivos teriam esse destino também. Com isso, o autor nos fazia sentir a perda do acesso à nossa alma: a capacidade de sonhar.

 

A história do livro se passa em 2022, daqui 2 anos, época em que as redes sociais não só sonham por nós, como nos dão mais prazer do que as relações sexuais e o chocolate. E não sou eu quem disse isso, mas as pesquisas.

 

Para ler, ter tesão, se relacionar, amar, sonhar, lidar com desejos, medos recalques e aguentar todo esse oceano precisamos manter os portais que nos levam até ele. 

 

Não precisamos sair da rede, nem parar de ver TV. Mas precisamos da literatura com seu pacto oceânico. 

 

E meditar... Nada nos conecta mais com a imaginação do que os sonhos noturnos e os diurnos das artes e da meditação. 

 

————-

Bright  Phoenix deu origem ao livro Fahrenheit 451, e posterior filme de Truffaut. 

 

#LeiaLiteratura #Sonhe #Imagine #Crie #Medite #ConfieEmSuasEmocões #RayBradbury #BrightPhoenix 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

200) Um Ingrediente Pouco Compreendido do Sucesso

  Tem um ingrediente importantíssimo para o sucesso, pouco falado e compreendido.   Na Constelação Familiar sabemos que o “Sucesso é o R...