30 de jul. de 2020

161) Os Cavaleiros do Apocalipse e nossas Respostas



E se os Cavaleiros do Apocalipse fossem respostas e não o destino?

O primeiro a chegar é o Cavalo Branco com o seu Cavaleiro Coroado portando um arco. Ele é a antiga ou a nova Ordem Mundial com valores e metas correlatas. Ele é um padrão de consciência coletiva que precisa mudar para continuarmos em desenvolvimento. Não sabemos o que virá, mas há quem diga: “mudou o paradigma! vamos nos adaptar”. Adaptar ao que? Ainda não sabemos.

Para uma mudança coletiva todos são levados em consideração. Por isso a cor de sangue do 2  Cavalo, representando  nossa irmandade. Seu Cavaleiro usa uma espada e se chama Guerra. Qual Guerra? A que mata quem aceita a mudança? A que mata quem é contra ela? A guerra contra a nossa estreiteza?

Em “Ideias de Canário”, de Machado de Assis, o sábio passarinho vê o mundo como uma gaiola no meio do seu brechó! Ao mudar de casa, proclama que o mundo é um jardim com um homem, seu secretário, anotando seus pensamentos. Quando foge do cativeiro, filosofa que o mundo é um Céu vasto e azul. O conto para aí, insinuando horizontes além do que conhecemos. 

A espada nos liberta dos grilhões, mas não é o novo mundo. Na incerteza, blefamos: “O mundo não mudou!” Ou “O mundo mudou! Se adapte a isso!” Ao que? Ao velho mundo se mantendo: “O mundo não pode parar!” Ou “As universidades no pós pandemia terão só aulas online! Dane-se os efeitos psicóticos do isolamento.” Quem diz isso? O antigo mundo entrando em guerras que mudarão o que ele evita mudar.

Então chega o Cavalo Preto, a cor do misterioso porvir.  Quem comandará o novo mundo? Aquele que ficar com a balança do Cavaleiro. O que ela pesa? 

Quem pode pagar a pouca comida depois da guerra, tá dentro. Quem não pode, está fora. Portanto, o nome deste cavaleiro é fome: o maior mecanismo de controle social do mundo. Ela mata, silenciosamente, muito mais do que as batalhas sangrentas. Então, o que realmente pesa? 

Finalmente chega o Cavalo pálido. Seu Cavaleiro é a Morte... do que não serve mais para a nossa expansão. O que vemos, porém, são corpos empilhados no meio dos 4 cavaleiros apostando vida ou morte? Paz ou guerra? Máscara ou não?... para preencherem seus vazios com nosso tempo. 


#passatempos
#mudançadeconsciênvia 
#EricBerne 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

221) A Medusa com a Cabeça do Perseu

  Medusa com a Cabeça de Perseu - Luciano Garbati No século VI a.C. Ésquilo escreveu a trilogia Oréstia, uma reflexão sobre a justa justiça ...