6 de jul. de 2020

157) Como funciona o Triângulo Dramático - Parte 1


Como somos enredados no Triângulo Dramático?
Mônica Clemente (Manika)



Já se sentiu muito mal depois de responder rispidamente a uma pergunta simples de um dos seus pais, filhos ou cônjuge? E passou o dia ruminando sobre a razão da sua explosão sem encontrar uma explicação?

Se não é hipoglicemia, que deve ser tratada, pode ser que você caiu em um dos vértices do Triângulo Dramático (Salvador, Vítima e Perseguidor). Cada um deles nos enreda num jogo psicológico doentio.

Vamos analisar três situações:

1-    A mãe pergunta: “Que trajeto você vai fazer?”. O filho retruca: “fala logo o que você quer que eu compre no caminho!” Ela: “eu larguei tudo para cuidar de vocês e o que recebo?!”

2-    A mãe chega do trabalho e a casa está decorada com louças sujas, produzidas pelo filho marmanjo maratonando na TV. Ela o xinga de vagabundo para baixo. Na madrugada, chora sozinha.

3-    A filha fala: “Vai comer carne?! Como o colesterol alto e coração fraco que você tem?! ” E o pai, diante da boa comida feita pela esposa diz: “Você enche o saco igual a sua mãe! ” E a filha defende: “Machista! A gente quer te cuidar! ”

Vítima, Perseguidor e Salvador estão todos, ao mesmo tempo, se alternando dentro da gente, como iscas que jogamos e fraquezas que caímos.

No 1º caso, o filho explode porque julga (Perseguidor) a mãe, já pressentindo que ela vai jogar, como sempre, a vítima. Ao se sentir culpado, escolhe nunca sair de casa para cuidar da mãe como um salvador, compensando sua ingratidão forjada no triângulo dramático, o que faz eles sentirem raiva e... Se ele é casado, possivelmente vai convidar sua esposa e filhos a jogar mesmo jogo.

No caso 2, o filho quer uma carícia da mãe ausente, chefe de família. Ela, para voltar a ter controle sobre sua vida caótica, xinga violentamente (Perseguidora) o filho. Logo em seguida acredita que falhou como mãe. O filho tem a atenção que queria, mesmo que seja negativa, perseguindo-a e virando a sua vítima.

O Salvador, caso 3, ofereceu uma ajuda não pedida ou que não sabe dar. Se a pessoa prefere o papel de vítima, aceita a ajuda para depois mostrar que não funcionou e até piorou. Se a sua fraqueza for se tonar um Perseguidor dará um fora como o pai deu, com a filha virando salvadora da mãe, cuja comida criticou (Perseguidora) e vítima do pai, ao colocar o pai contra ela e a mãe na armadilha que criou.

O Triângulo Dramático é um diagrama, elegantemente criado por Joseph Karpman, analista Transacional, para mostrar este rodizio de ações e reações que nos prendem, viciosamente, dentro de um jogo psicológico (Berne: 2007:159). Homofobia, racismo, ataques contra a mulher, criança, velho e pessoas em geral são crimes, geram vítimas reais, portanto não são triângulo dramático.

Clique aqui para acessar a parte 2 deste texto.

Se quiser saber mais sobre esta temática, eu fiz duas gravações para o site do Movimento Sistêmico - Rádio Sistêmica. Sobre o que escrevi acima, só clicar aqui.





#triângulodramático #EricBerne #JogosPsicológicos #triângulodeKarpman #manika #constelandocomafonte 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

221) A Medusa com a Cabeça do Perseu

  Medusa com a Cabeça de Perseu - Luciano Garbati No século VI a.C. Ésquilo escreveu a trilogia Oréstia, uma reflexão sobre a justa justiça ...