2 de jun. de 2020

148) Pequena Fábula do Ressentimento (e uma Solução)




O Céu precisava que traduzissem suas mensagens com as estrelas para os humanos. Alguém capaz de entender o infinito, criar uma linguagem legível e oferecer uma fortaleza contra as ilusões. Todos os animais se ofereceram para a missão, menos a aranha, que confeccionava sua teia. Irritado com o desprezo, o Céu nublou o planeta até que a chuva irrigasse as florestas num sonoro aviso: diga para aranha me dar atenção! 

Como o inseto seguiu em frente com seus afazeres, o Céu prometeu uma inundação. Todos os animais imploraram para a aranha apresentar um projeto para o Alto, mas ela estava em transe repetindo uma ladainha: “Agora só falta o Sol!” 

Os 4 ventos das 4 direções tomaram providências, antes que o rancor estelar matasse a vida na Terra, e soprou as nuvens para as fiandeiras. Quando os cabelos do Sol tocaram as gotas de chuva na teia de aranha, o Céu se viu num espelho. A linguagem estava pronta! Desde então, o corpo em oito da aranha é símbolo do infinito, sua teia cria significados, e quem não o entender ficará preso em sua seda, como refeição do momento. Esta é a armadilha da ilusão: ficar enrolado no fio da rede, como se ela fosse o Céu e não a mensagem dele.

Quando marte, no mapa de uma pessoa, toca o Sol ou a Lua do mapa de outra pessoa, se há ressentimentos na segunda, a espada de Marte vai cortar o furúnculo, ou ele mesmo vai machucá-la. A função deste encontro é avisar que você está enrolado no rancor contra teu pai ou tua mãe, ou no rancor deles contra os pais deles, ou no rancor dos avós pelas bisavós... ou no meio da briga de casal dos teus pais, ou avós, ou bisavós....

Se você sempre volta para mesma situação de ressentimento, a Aranha está te dizendo: “Agora só falta o Sol” para iluminar o significado da sua teia de emaranhamentos. Não adianta perdoar, mas sim fazer as pazes com o que aconteceu e seguir em frente.


#astrologia #animaisdepoder #ressentimento #AVerdadeLiberta


Nenhum comentário:

Postar um comentário

180) Os Estágios da Anima e do Animus

  Reconhecemos um navio porque ele já estava na gente como modelo. Da mesma maneira, um homem enxerga uma mulher, e vice-versa, com modelo...