25 de mai. de 2020

145) Instalando o Chip da Vitória



A boca do pai e, principalmente da mãe, produzem as maiores bençãos. Por isso é importante como eles a usam com suas palavras.

Desinstalando o chip da derrota: Quando os pais nos definem, categoricamente, até nossos 7 anos, ou mais, é projeção, não quem somos. No primeiro setênio reproduzimos o inconsciente dos pais (Von Franz, 1988) ou o inconsciente coletivo familiar (Hellinger, 2002). Ainda não temos força para o processo de individualização (ser quem é). 

Por exemplo, “Você é avoado!” grita o pai que não sabe ganhar dinheiro e é tão criativo como seu filho, porém foi bloqueado como faz com a criança. “Para de chorar, seu covarde!” Crava os dentes da mãe, que perdeu filhos na gestação e não teve apoio para o luto. “Ah, filha, você não sabe o que quer! Não tem disciplina para isso!” Projeta a mãe, que não foi incentivada pelos pais a estudar, porque “mulher é burra”. Etc...

Há ainda pais e adultos que plantam provas falsas para justificar estes mandatos. Escondem coisas da criança “avoada”, para provarem como ela é descuidada. Contam mentiras sobre seus filhos para o outro genitor puni-los sem nem os escutar. Há ainda dezenas de vídeos compartilhados de pais fazendo bullying com os filhos e há quem ria disso. 

Por que alguém coloca provas falsas para provar um crime e com público testemunhando o “delito” plantado? Para ganhar algo com isso. Da mesma forma, os pais que impõem mandatos de derrota em seu filho, na frente da família toda, que passa a acreditar no rótulo imposto, querem algo: que seu filho, derrotado, nunca os abandone. Ou que volte de cabeça baixa em algum momento, massacrando-o novamente. Rapunzel que o diga. 

Como sair dessa? Sempre com terapia! E, voltando para sua criança interior, com cuidado, naquela época em que o chip foi implantado mil vezes. Olhamos para ela com amor e o antídoto: VOCÊ É CRIATIVA! ou VOCÊ É CAPAZ! ou VOCÊ É QUEM EU ESPERAVA! SEJA BEM-VINDO! Para quem escutou que sua gravidez não foi desejada! Qualquer frase que contraefetue a crença imposta. 

Não vale à pena brigar com os pais, no entanto. Se estamos vivos e conseguindo mudar um padrão (e não só isso), eles deram muito mais coisas boas do que só mandatos negativos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

158 - Como Funciona o Triângulo Dramático - Parte 2

Como sair do Triângulo Dramático? Mônica Clemente (Manika) No texto anterior “Como Funciona o Triângulo Dramático - parte 1&q...