3 de mai. de 2020

137) A Má Consciência, onde tem a solução




Dá um nó na cabeça falar da Boa Consciência e da Má Consciência, onde há a solução, porque as associamos com boas e más ações. Esta descoberta do Bert Hellinger mostra a relação entre a necessidade de pertencer e a Consciência (estar de acordo ou não).

A consciência fica tranquila se pertencemos ao nosso grupo (família, religião, cultura, etc.). Para pertencer precisamos estar de acordo, repetir e até advogar a favor de ações, boas ou más, coerentes com os valores do nosso grupo. Muitas guerras, brigas de facebook e algoritmos lutam pela Boa Consciência de um grupo.

Da mesma forma, me sinto mal, entro na Má Consciência, se faço algo em desacordo com meu clã, colocando em risco meu pertencimento. Por exemplo: se na família um dos pais sofre a doença do alcoolismo, um filho promete nunca se casar com um alcoólico, mas aí se apaixona por uma pessoa com outro vício. A Boa Consciência o manteve nos trilhos do grupo familiar, independentemente de ser difícil.  Em outro grupo, é “normal” maltratar as mulheres. Se for mulher pode até tratar mal outas mulheres, como buscar relações pessoais e de trabalho onde será desconsiderada.

Um gatilho da Boa Consciência é alguém ou nós mesmos tentarmos nos tirar a força do nosso grupo: Se a mãe julga ou fala mal da família do pai ou vice-versa; se uma família adotiva despreza a origem da criança e quer transforma-la a ferro e fogo; se a gente despreza nossa origem, há algo em nós que nos faz ficar iguais ao que está sendo excluído ou negado.

A Má Consciência acontece quando se faz algo diferente dos mandatos do grupo. Ela é eficaz se é feita com respeito ao que aconteceu e se nos faz ficar mais fortes e amplos, incluindo mais. Por exemplo: busca-se um parceiro/a, independente das diretrizes inconscientes do nosso clã. Não é a parceira/o que vai se impor contra nosso grupo, mas a gente que tem que seguir nosso amor, sem desrespeitar o amor pela família original. Assim montamos uma nova família com o cônjuge, criando suas diretrizes.

Um bom casamento pode ser então a arena da Má Consciência, como o amor de Yoko e John. Vocês se lembram das fofocas falando que a Yoko acabou com os Beatles?  Será que cada um do grupo já não estava com vontade de novos horizontes diferentes daqueles que criaram juntos?

Da próxima vez que quiser algo, que talvez esteja em desacordo com teu grupo, tenha força para se sentir mal e sozinho por um tempo, até chegar à outra amplidão. Se você perder a sua força, talvez seja rebeldia. A rebeldia ainda é uma resposta pelo avesso aos mandatos do grupo, mantendo-o como guia. Ou se arrogando a transformá-lo, como se pudesse fazer isso. Ela não é um compromisso com teu caminho, como muitas vezes é uma ação boa para você, que não prejudica ninguém, mas que gera Má Consciência. Voltar à Boa Consciência faz parte do percurso. É neste equilíbrio que seguimos em frente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

164) Amores desde o Fim até o Começo

Ilustração Sabrina Gevaerd A relação de amor que a gente busca tem a ver com quem somos desde o fim até o começo. Queremos um ...