21 de ago de 2018

73) A Visão Xamânica Africana das Doenças Mentais

Nova Constelação familiar em Porto Alegre setembro de 2018 - informações aqui.

_______________________

Como o Xamanismo Africano lida com o que chamamos de Doenças Mentais? 

O site Mystical Haven publicou partes de artigos sobre o Xamanismo Africano e como o xamã Dr. Malidoma Patrice Somé encara fenômenos que nós, ocidentais, e nossa medicina chamamos de distúrbios psiquiátricos.

É importante entender que cada cultura desenvolve formas de ver o mundo e instrumental para lidar com o que veem e interpretam. A medicina, por exemplo, é uma só, a arte de curar, mas as formas como se manifestam depende de cada cultura. Temos a Medicina Ayurvédica, a Medicina Chinesa a Biomedicina (Medicina Ocidental) e outras medicinas que têm suas próprias filosofias, anatomias, fisiologias, estratégias terapêuticas etc.. A esta diversidade da arte de curar, e suas 6 dimensões, foi dado o nome de Racionalidades Médicas pela socióloga brasileira Madel Luz.

Como o Xamanismos Africano enxerga, então, o que a nossa medicina chama de doença mental?

_______________________

A VISÃO XAMÂNICA DAS DOENÇAS MENTAIS

O texto publicado no site Mystical Raven está em inglês aqui.
Abaixo está a tradução:

(Um texto mais completo em inglês, no site Jason Gaddis, está aqui )





“ Dr. Malidoma Patrice Somé,  xamã da África Ocidental, tem uma visão diferente da doença mental em comparação com as pessoas no mundo ocidental, onde nos concentramos na patologia e na ideia de que o comportamento exibido por aqueles diagnosticados com a doença é algo que precisa parar.
O Dr. Somé propõe que o que chamamos de depressão, bipolaridade, psicose e esquizofrenia talvez seja uma intensa transformação da consciência e um passo inevitável para o desenvolvimento humano.
O Dr. Somé e o povo Dagara apoiam a visão xamânica que sinaliza a doença mental como “o nascimento de um curador”. Eles acreditam que essa pessoa foi selecionada como um meio para uma mensagem para a comunidade. O que os ocidentais veem como “doença mental”, o povo Dagara vê como “boas notícias do outro mundo”.
"Transtorno mental, transtorno comportamental de todos os tipos, sinalizam o fato de que duas energias obviamente incompatíveis se fundiram no mesmo campo", diz Dr. Somé. "Distúrbios resultam quando a pessoa não consegue obter assistência para lidar com a presença da energia do reino espiritual."
Durante a primeira visita do Dr. Somé aos Estados Unidos em 1980, ele testemunhou como o país lidava com a doença mental. Ficou surpreso ao notar que os pacientes na enfermaria psiquiátrica estavam exibindo os mesmos sintomas que ele tinha visto em sua aldeia.
“Então é assim que os curandeiros que estão tentando nascer são tratados nessa cultura. Que perda! Que perda desperdiçar uma pessoa que finalmente está sendo alinhada com um poder do outro mundo”.
Ele reconheceu que o Ocidente não é treinado em lidar com a existência de fenômenos psíquicos e do mundo espiritual. Quando essas energias emergem, o indivíduo, que não tem a capacidade de reconhecer o que está acontecendo, é rotulado de "insano" e recebe altas doses de drogas antipsicóticas que impedem a evolução espiritual.
Os xamãs e médiuns também são capazes de ver “entidades” ou “seres” que permanecem na presença desses indivíduos. Os gritos e gritos exibidos pelos pacientes na enfermaria psiquiátrica sinalizaram para o Dr. Somé que as entidades estavam tentando livrar a medicação de seus corpos e sua dor estava aumentando no processo.
Na tradição de Dagara, esses indivíduos são vistos como uma ponte entre o mundo físico e espiritual e a comunidade ajuda a pessoa a se reconciliar com as energias dos dois mundos. Não fazer isso aborta o nascimento de um curador e sustenta a desordem inicial de energia.
Ele descreve a esquizofrenia como tendo "receptividade a um fluxo de imagens e informações, que não podem ser controladas".
“Quando esse tipo de entrada ocorre num momento que não é escolhido pessoalmente e, particularmente, quando se trata de imagens assustadoras e contraditórias, a pessoa entra em frenesi.”
Os xamãs limparão as energias estranhas da aura do indivíduo usando uma prática conhecida como "varredura". Isso ajuda a acalmar a energia espiritual que está sendo recebida e acalma a pessoa. O xamã tentará, então, alinhar a energia de alta voltagem do espírito que tenta sair do outro mundo e, por sua vez, dar à luz ao agente de cura.
Bloquear isso é o que cria problemas e agrava a situação. Nos casos em que a energia canalizada é negativa e não promove a cura, os xamãs procuram removê-los da aura em vez de os alinhar.
Enquanto nos EUA, Dr. Somé estava curioso para saber se suas técnicas seriam universalmente aplicadas a todos os pacientes. A pedido, ele levou um paciente mentalmente doente de 18 anos de volta à sua aldeia africana. Após quatro anos de hospitalização e sofrendo de alucinações e depressão severa, os pais do menino ficaram sem saber o que fazer.
O Dr. Somé relata que depois de oito meses, o filho deles se tornou “bastante normal” depois de participar de rituais de cura xamânica e entender seus dons como curador. Ele continuou a viver na aldeia por mais quatro anos como curador antes de retornar aos EUA para completar seu curso de psicologia em Harvard. "Ele descobriu que todas as coisas que ele precisava fazer tinham sido feitas, e ele poderia seguir em frente com sua vida", disse Dr. Somé.
Um dos dons que os xamãs podem trazer ao mundo ocidental é ajudar os indivíduos a redescobrirem um ponto de vista espiritual que é necessário para se viver. Adotando o reino espiritual da vida reduz a probabilidade de sofrimento mental que decorre do fato de que "eles são chamados por seres do outro mundo para cooperar com eles em fazer o trabalho de cura."
O Dr. Somé sugere que “alguns dos espíritos que tentam passar, como descrito anteriormente, podem ser ancestrais que querem se fundir com um descendente na tentativa de curar o que não puderam fazer enquanto estavam em seu corpo físico”.
Ele continua, “a menos que a relação entre os vivos e os mortos esteja em equilíbrio, o caos se inicia. Os Dagara acreditam que, se tal desequilíbrio existir, é dever dos vivos curar seus ancestrais. Se esses antepassados não forem curados, sua energia doentia vai assombrar as almas e psiques daqueles que são responsáveis por ajudá-los ”.
O Dr. Somé sugere que adotar uma abordagem ritualística à doença mental cria uma série de oportunidades e pode mudar a vida do indivíduo para melhor.
Partes extraídas do guia de medicina natural para a esquizofrenia, páginas 178-189 e The Natural Medicine Guide to Bi-polar Disorder. Based on Jayson Gaddis’ article.  – Via ForeverConscious




Nenhum comentário:

Postar um comentário

78) Depressão

Quando eu li pela primeira vez que a depressão, segundo as observações do Bert Hellinger nas Constelações Familiares, era, geralment...