22 de dez de 2018

82) Autobiografia de Bert Hellinger - Trechos

Minha Vida, Minha Obra - Autobiografia de Bert Hellinger 
Trechos do livro
Locução Inácio  Junqueira da faculdade Innovare, 

Este livro será lançado no Brasl em medos de 2019.
Estes trechos traduzidos  foram lidos pela primeira vez 
no 1° Congresso Internacional DNA da Constelação Familiar Hellinger
6-9 de dezembro de 2018 - Espaço Hakka - Liberdade São Paulo.


21 de dez de 2018

81) O que você ganha com a Constelação Familiar?


Feliz Natal!
Sim, 2019!

RELATOS DO 1º  CONGRESSO INTERNACIONAL DA HELLINGER SCHULE NO BRASIL

Este é meu presente de 2018 para você! 
Que veio dos presentes que ganhei do Bert e Sophie Hellinger 
e dos Docentes da Hellinger Schule: 


O que você ganha com a Constelação Familiar?

Foto do 1 Congresso Internacional DNA da Constelação Familiar - 6 - 9 de dezembro de 2018
Último dia - da esquerda para direita: Foto do Bert Hellinger com a Sophie Hellinger,
Angelica Olvera, Gerhard Walper, Wolfgang Deusser, Joel Weser, Renato Bertate, 
Sami Storch, Cristina Llaguno, Thomas Wittig e falta a Mimansa nesta foto.




Introdução - Crescer


Prabhat Ranjan Sarkar disse que há três formas de expansão espiritual: experiências que tiram a gente da normalidade (como viagens e posturas de yoga invertidas, por exemplo), vontade de crescer e a dor. Na Constelação Familiar testemunhamos estas três esferas de crescimento. A dor à serviço da evolução e da paz. A experiência no velho e no novo e a vontade de crescer.


DNA das Constelações: Vontade e Possibilidades

Só quem não aguenta mais a dor está pronto para a sua constelação. Só quem quer mudar de fato uma situação pode aguentar um novo passo. Não é se livrar de algo, é querer mesmo transformar a dor em benção. E isto exige esforço e paciência. Sem esta força interior, que aguarda o novo passo, a pessoa não tem a seiva necessária para encontrar ou lidar com uma solução de um problema ou uma dor.

Às vezes é mais fácil continuar muito magoado com a mãe ou o pai, já que isso pode ser usado como uma boa desculpa para os nossos fracassos, do que assumir a responsabilidade de encontrar outra maneira de lidar com o que aconteceu e com eles. Repetimos o mesmo itinerário de dor em relação a eles recebendo a mesma resposta, mas esperando que algo saia diferente. Nem pensamos em tentar outro caminho.

A nossa vida costuma travar em diversas áreas para nos ajudar a querer a solução que antes negávamos. De repente, paramos de achar culpados pelas nossas desventuras e ficamos adultos, de frente para o nosso destino. Não quer dizer que os pais não erraram, quer dizer que nós podemos fazer um pouco diferente. Por exemplo, reconhecendo que eles acertaram muito ao nos trazer para esta vida.


Esta foi uma das dicas preciosas da Sophie Hellinger de como as constelações são selecionadas em seminários. E, além dela, outros aprendizados transformadores foram vivenciados no 1º Congresso Internacional da Hellinger Schule aqui no Brasil, a escola de Constelação Familiar Original, dos criadores da Constelação Familiar Bert E Sophie Hellinger.

Sophie Hellinger em uma Constelação de Casal transformadora


Qual é o DNA da Constelação Familiar? 

Nos perguntava Sophie.

- Algumas heranças chegam pelo DNA dos pais, mas temos muito mais possibilidades de fazer um pouco diferente do que herdamos. Como podemos, então, fazer isso?

Esta era a questão chave dos seminários durante o congresso. Como acessamos estas novas possibilidades, este DNA da Constelação Familiar?

Gerhard Walper e Daniela Migliari Como as constelações familiares revelam as dinâmicas ocultas das relações de casais?

Quando olhamos com amor não há culpa 

O pedagogo e psicoterapeuta Gerhard Walper abriu o evento e nossos corações tirando da culpa o foco das adversidades. Quando olhamos com o amor todo abrangente para uma situação não há mais lugar para a culpa pessoal.

E este olhar revela, por exemplo, que há vícios que buscam o pai que não pode ser incluído: ordem oculta do Amor – todos pertencem. Há problemas em empresas porque os fundadores não são respeitados: ordem do amor - hierarquia. Há relações de casal nas quais espera-se do parceiro o que nem foi pedido. Só um bebê espera da mãe o que ainda não se sabe pedir. Dos pais ganhamos muito mais do que podemos dar para eles, nas parcerias trocamos de igual para igual comunicando claramente, e sem jogos, o que precisamos: ordem do amor – dar e receber. Há problemas de saúde com o sintoma apontando a estrada de amor fechada, aguardo ali uma solução ainda não encontrada por gerações, etc.

Quem olha com este amor abrangente não pode culpar mais nada. Todos no Congresso pareciam ter entrado em sintonia com o Bert Hellinger, criador das Constelações, por meio do Gerhard. Foi com este olhar e a postura fenomenológica (sem medo, teorias, pena ou intenção) que Hellinger criou as constelações e revelou como atuam as ordens ocultas do amor.


Tomar a vida que veio dos pais e seu impacto em nossa realidade

Depois veio outro docente da Hellinger Sciencia, tão maravilhoso como o Gerhard, o Wolfagang Deusser mostrando que flutuamos no mundo quando não tomamos a vida dos pais. Plainamos até as instituições religiosas ou caminhos espirituais, por exemplo, que nos fazem sentir melhores do que a nossa família até estas organizações se tornarem a mesma prisão da qual queríamos fugir. Quando não tomamos nossos pais exatamente como são, julgando-os, nos aprisionamos em algo. Ao contrário, quando aceitamos nossas origens, as raízes se fortalecem e fazem a sua função: deixam a vida mais nutrida e estável.

Isto ficou visível no palco do Hakka, local do evento, quando a pessoa que representava a vida atrás dos representantes de um pai e uma mãe, ficava fraca quando a pessoa negava sua origem e ia buscar algo “maior” que os pais para se apoiar. E a representante da vida ficava forte quando esta pessoa, também um representante escolhido no público, se voltava e honrava a família de onde veio.

Wolfagand Deusser, Daniela Migliari e Matthias Bronk na tradução.
As diversas dinâmicas na formação de uma família e as constelações familiares


O Salto Quântico: da repetição ao universo de novas possibilidades 

À tarde tivemos mais presentes dados pela Sophie Hellinger. Um deles foi pedir para a querida  Janine Ferro Lôbo (psicóloga) colocar uma música para nos animar depois do almoço. O corpo precisa estar inteiro e o sorriso também se queremos fazer um salto quântico. E foi assim que a Sophie nos levou até o DNA das constelações, este universo de novas possibilidades. E o que são estas possibilidades?

Na prática foram as constelações, meditações, ensinamentos e pequenos exercícios sistêmicos, mas ficou escancarado quando a Sophie e a Angélica Olvera, saltaram universos na nossa frente.

- Angélica, o que é quântico?    
    
Perguntava Sophie.

- Quântico é um espaço muito, muito, muito pequeno (e a Angélica é bem pequena), que cabe muita, muita, muita informação (E a Angélica sabe muito). Quando estamos em paz podemos acessar este espaço quântico com novas informações, que são mistérios.
(é mais sofisticado do que isso, mas é o que eu pude entender)

- Então a Constelação Familiar pode nos levar para esta experiência quântica, Angélica?

- Sim! Veja bem: você, você, você, você... subam ao palco. Todos eles são o passado desta pessoa. Em cada uma há muitas informações que se conectam umas com as outras. Este passado é espelhado no futuro. Suba ao palco você, você, você, você... que são o  Futuro, com  estas mesmas informações que vem do passado. Então este futuro é o espelho do mesmo campo de informações do passado e nós estamos entre um e outro.

- O futuro é o espelho do passado?

- Sim, aqui sim. Mas quando estas informações do passado ficam em paz, abre-se uma outra janela de possibilidades. Você aí na plateia, você aí na plateia, você aí na plateia... todos vocês na plateia são outras possibilidades que não sabemos como são. Sim, a Constelação Familiar é quântica porque quando o passado fica em paz abre-se uma infinidade de possibilidades misteriosas. Não sabemos como ela é, mas ficam disponíveis.

Angelica e Sophie mostrando as diversas possibilidades!

Nesta hora eu já não queria mais saber do passado, nem do futuro espelhado, só olhava para o desconhecido, me dando um frio na espinha ao mesmo tempo um alento: tudo pode ser diferente. Há muitas possibilidades! 

Angélica continuava:

- Mas isto dá medo! O novo dá medo e um pouco de solidão.


Quem tem medo do novo? 

Uma moça corajosa falou:

- Eu sempre atraio homens que não estão disponíveis.

E a Sophie respondeu mais ou menos assim:

- Ela repete isso todo dia! Há quanto tempo? É uma crença que ganhou raízes nela e que a deixa num espaço seguro. É muito difícil para você aguentar um homem 24 horas, não é? É melhor acreditar que só consegue homens indisponíveis do que ver que não aguenta um homem tanto tempo?

E eu pensava, é o passado e o futuro dela. E quais são as minhas crenças passados que trago para o meu futuro? 

Quantos discos interiores arranhados temos? “Tenho o dedo podre para homens/mulheres”, “Não atraio dinheiro”, “Sempre perco tudo o que ganho”, “Quero ser merecedor/a de afeto”, que quer dizer que a pessoa pensa 24 horas por dia que não é merecedor de nada, etc. etc.



Evento do Facebook criado por Thamiriz Liz . O Humor liberta Também!
Reparem na data - muito 2 para dar sorte  nas parcerias :)



Quando fizermos as pazes com o que de fato está por trás destas crenças, quantas possibilidades misteriosas de futuro teremos?


A Ampliação do Olhar na solução de Conflitos

Joel Weser, o docente que nos alinha no corpo para este futuro de possibilidades aparece! Com ele vivenciamos o que acontece quando há conflitos.

Duas pessoas no palco apontavam os dedos uma para outra, como acontece em um embate. Ele dizia mais ou menos isso:

- Ele acha que o problema é ela. Ela acha que é ele.  Agora ampliem o olhar!

E com os dedos o Joel tocava a testa para logo em seguida abrir os braços ao longo da amplitude do espaço.

- Ampliem o olhar.

Ele dizia.

-  O que ele coloca nela que é dele e o que ela coloca nele que é dela? De onde vem isso? Ampliem o olhar! O que ele nega tanto, com um imenso não, que ela estimula nele e vice-versa?

Foi aí que todos nós, em duplas, viramos aquilo que a outra pessoa mais negava, ou odiava, ou a aprisionava. Seguramos com força a pessoa, que com mais força ainda nos negava. Ficávamos mais fortes. Agora estas pessoas diziam sim, internamente, para a situação que ela repudiava e, incrivelmente, perdíamos a força e a soltávamos.


Joel Weser, Daniela Migliari e Matthias Bronk
Presença e Postura para ver o que não era visível, por exemplo, no encontro com o parceiro.



A reconciliação na justiça

Na conferência de Direito Sistêmico – Constelação Familiar aplicada na justiça -  com o juiz Sami Storch e a advogava e psicóloga Cristina Llaguno o tema dos conflitos foram abordados novamente.

Sami, pioneiro do Direito Sistêmico no Brasil,  nos mostrou como um advogado que não está reconciliado com um dos pais pode tomar partido em uma separação de seus clientes, ou como uma sede de vingança na família pode fazer outro causídico buscar vingança em todas as suas causas. 

E não é só no direito que estes passados viram futuros. Um psicólogo pode querer salvar a mãe em todos os pacientes ou se salvar neles, roubando toda a energia daquele de quem pensa cuida. Um professor, que se acha melhor do que a mãe que não estudou, pode se sentir melhor do que os pais das crianças que ele ensina. Um atleta de esporte de risco pode estar olhando para a morte, como um suicida ou alguém morto na família que está excluído. Um empresário pode destruir seu patrimônio porque está fiel às dificuldades de sobrevivência de seus ancestrais, ou porque o seu dinheiro veio da perda de muitos, etc.


Então a inspiradora Cristina Llaguno, usando o exemplo de Joel Weser, mostra como o conflito aparece num tribunal.


Joel Weser, um participante e o Matthias Bronk

- Aqui estão dois clientes. Vocês se enfrentem empurrando cada um o ombro do outro. Como o Joel mostrou esta manhã. Fiquem assim, nesta tensão. Cruzados sobre vocês, estão os advogados deles que se empurram também, numa tensão cruzada, formando uma cruz de conflitos. Quando nenhum destes conflitos encontra uma solução, porque projetam em cada um algo que ainda não integraram em si, por exemplo, a tensão cairá sobre o Juiz que é empurrado – os quatro começam a forçar o Juiz – contra a parede.

Como um juiz ou um terapeuta não deixa uma situação escalar eles forçando-os a tomar uma decisão que pode piorar o embate? Como um advogado não piora uma situação?

Constelação Familiar para solucionar um caso de Alienação Parental

Nesta hora fizeram uma constelação de um pai que não podia acessar seu filho. A mãe estava em litígio contra ele há 10 anos. Ele por sua vez, acabou fazendo direito para lutar contra a alienação e não enxergava como a luta que travou com a ex-esposa rachava o garoto ao meio. Durante a constelação este pai machucado falou para a alienadora, com sinceridade e algumas vezes:

- Eu reconheço você. Eu amo você em nosso filho. Você tem um lugar. Eu te amei muito...

A raiva deu lugar ao choro, que deu lugar ao amor, que deu lugar à ex-esposa, que deu lugar ao filho. Com o tempo, vimos a pessoa que representava a mãe deixar o representante do menino abraçar o seu pai, com um sorriso!  

Um dos dois, depois de 10 anos de dor, resolveu ser o primeiro a acessar aquele amor que os uniu até seu filho. Ele desistiu da guerra e queria trazer a paz novamente. Ele deixou as armas de lado, parou de culpá-la e não esperou que ela o reconhecesse. Este papai deu o primeiro passo sem esperar mais nada, por amor à criança.

Mas quando estas situações não encontram solução, podem até virar doença.

Das Enfermidades ao Reencontro

Renato Bertate, médico e facilitador de constelação, mostrou a finalidade de alguns sintomas. Muitos deles atravessando gerações e esperando uma solução. Por exemplo, uma alergia pode ser a repulsa por alguém que espera ser reintegrado. As doenças dos filhos podem ser a brigas dos pais que não encontram reconciliação.

Nada disso é culpa dos pais ou da pessoa que rejeita a outra, mas o amor exigindo que amplie-se sua circunferência para incluir mais. E assim vermos as dinâmicas ocultas por trás dos sintomas e enfermidades, aguardando um novo passo.

As Ordens do Sucesso

Ele também esteve falando da saúde das empresas com o Gerhard e o Thomas Wittig nas Constelações Organizacionais. Os três docentes se revezavam generosamente para mostrar as ordens que garantem o sucesso numa empresa, por exemplo. Nas Constelações Familiares, o Bert Hellinger é o grande criador e reconheceu diversas vezes o avanço que a constelação teve com a sua esposa Sophie ao lado dele. O Gerhard é o docente mais antigo na Hellinger Schule na Alemanha e foi o professor do Thomas. E a Mimansa trouxe a Constelação ao Brasil e foi a professora do Renato.

No saber específico de empresas o Thomas tem precedência e na medicina o Renato tem precedência, embora todos reconheçam que sem o Bert, a Sophie e os docentes não poderiam aplicar a constelação em suas competências. Se esta hierarquia é respeitada o movimento pode seguir em frente:   o mestre Bert Hellinger e Sophie como os criadores, o docente Gerhard e Mimansa preparando outros facilitadores e o Thomas liderando as constelações organizacionais e o Renato a saúde.

Thomas Wittig e Daniela Migliari
Constelações Familiares e as Empresas 
Como os emaranhamentos familiares aparecem nas organizações, por exemplo?



E ainda houve mais e mais presentes:

“Depois de cada regime se ganha 5 quilos a mais do que se perdeu. A renúncia não traz a solução” – Sophie Hellinger sobre os regimes.

- O que faço para não desistir?  Perguntou um participante para o Joel Weser:
“- Aceite a Resistência!”

“Sorria para ela.” Sophie nos conduzia a sorrir para algo que quem usa óculos não quer ver. E nos deu uma movimento do Cosmic Power para a solução daquele encontro tão ansiado e temido. 


No último dia o Bert Hellinger enviou uma carta de presente para todos nós além de podermos escutar alguns trechos de sua autobiografia. Nelas escutávamos a melodia de sua escrita, uma nave para outras dimensões de possibilidades. Era uma chuva de bençãos! Se quiser receber este presente de sabedoria, só clicar no título acima.

Aprendemos também um pouco mais de reconhecimento, gratidão e a deixar as coisas em ordem, quando ele disse que havia passado a Hellinger Schule aos cuidados e liderança de Sophie Hellinger, para que a sua obra pudesse seguir em frente. Reconheceu o quanto isso exigia dela. O grande esforço para manter a Ciência dos princípios da vida e das relações humanas – a Hellinger Sciencia  crescendo e podendo chegar  cada vez mais à mais pessoas. Ele agradecia a generosidade da vida que lhe permitia tanto tempo: seu aniversário de 93 anos era logo em seguida do congresso. E agradecia ter podido fazer tanto, como se olhasse para orquestrador de todos aqueles passos, sem perder a sua autoria.

Ao final, todos estavam em silêncio e um facho quente de luz saía pelas minhas mãos. Onde eu tocasse, algum sintoma podia ser aliviado. Nunca havia sentido aquilo com tanta força. Mais um presente, mais uma possibilidade não imaginada.



Hellinger Schule para tod@s!

Estas vivências, conseguir a paz em sua alma, transformar um bloqueio em uma oportunidade, conhecer as ordens ocultas do amor e do sucesso, as ordens da ajuda, os círculos de amor e as consciências pessoal, coletiva e espiritual estão a sua disposição na Hellinger Schule na Alemanha e aqui no Brasil. Esta é a escola da Constelação Familiar Original, a Fonte das constelações. Junto à Innovare, aqui no Brasil, você pode se formar em constelação familiar e suas aplicações ou frequentar os cursos como um percurso pessoal de crescimento. É para todos aqueles que querem ser mais felizes e ver seu entorno ficando mais feliz também. 

Formação em Constelação Familiar Hellinger
Formação em Direito Sistêmico - Constelação Familiar Hellinger aplicada ao direito
Constelação Familiar Hellinger e Saúde 
Pedagogia Sistêmica - Constelação Familiar Hellinger aplicada à Pedagogia
Constelação Familiar Hellinger aplicada às Empresas, Gestão e Negócios





20 de nov de 2018

80) O Pé de Acerola e as Imagens que Curam

Qual imagem te move... e qual te paralisa?


O inconsciente é feito de imagens, ou as imagens são feitas do inconsciente. Em qualquer um dos casos, a imagem de solução se revela em uma constelação Familiar, todos acertam os rumos de sua alma. Em grupo, todas as solução são tuas!

Vamos  vivenciar as Imagens que Curam no Seminário da Nova Constelação Familiar dos dias 22 a 24 de novembro de 2018 em Porto alegre e a psicóloga Adriane Amaral - a Arati - nos conta sobre isso neste vídeo inspirador:


15 de nov de 2018

79) Depressão




Quando eu li pela primeira vez que a depressão, segundo as observações do Bert Hellinger nas Constelações Familiares, era, geralmente, a falta de um dos pais, eu não acreditei. Afinal esta sombra que puxa a gente para baixo de uma areia movediça psíquica parecia ser muito mais complexa do que isso. Eu que nem sabia o quanto era complexo caminhar para os pais em algumas situações.

Nesta época, a depressão ainda estava pequena em mim, mas ela me pegou para eu, enfim, mergulhar no que faltava. Durante anos eu tentei, em vão, me curar desta dor como se ela fosse me deixar continuar errando. Então, meu analista me disse, em cinco minutos de entrevista, sem me conhecer, sem a gente saber entraríamos em análise:

- O que você fez com o teu pai?

Eu não vou me alongar aqui para explicar que nascer da mãe e ficar em sua esfera durante anos não nos completa, apesar de ser vital. Nem vou explicar que caminhar para o pai é uma das nossas tarefas heroicas, com muitas barreiras sem forma ideal de acontecer.

Eu só vou me fixar no resultado de 2 semanas de análise: minha depressão de anos acabou! Meu analista me deu a mão e me levou ao meu papai. Me fez ver como eu o desprezei, não o valorizei e o excluí do meu coração. Ele é e sempre foi um pai maravilhoso, mas eu nem via. Tomar a vida que veio dele, então, nem me passava pelo coração.

Claro que houve obstáculos entre nós dois, como sempre há, e erros dele também, que eu nem lembro, mas eu criei um novo caminho, sem ir pela estrada antiga que nos separava. Foi uma rua nova, florida, cheia de sinal para eu nunca mais me perder desta conexão. Quando eu descobri o pai que eu tinha, me senti abençoada! Era como aquelas histórias espirituais, quando o guru tira um véu de nossa vida e vivemos um pouco mais do extraordinário. Nunca mais eu senti depressão.

Tem pessoas que excluem a mãe e deprimem também. Suas vidas ficam paradas, sem saídas e pobres. Às vezes, esta exclusão é porque houve um afastamento de um dos pais muito cedo. A isso chamamos de movimento interrompido. Ele também tem cura: dar o primeiro passo, para dentro da dor, da raiva e do desespero, para a construção de uma nova avenida até o pai ou a mãe excluída do nosso coração.

Pode ser que o pai ou a mãe não correspondam a sua caminhada até eles porque não podem. Estão mortos, ou eles mesmo estão deprimidos, ou ainda cegos por um emaranhamento. Neste caso, você ainda pode tomar a vida que veio deles com amor, todo dia, até que se sinta preenchido. A impossibilidade deles NUNCA É as suas expectativas do que eles deviam ser. Este é o teu problema ou as mentiras que te contaram.

Se você tiver expectativas de como deve ser este encontro, esqueça. Sempre é melhor e nunca é para atender as nossas fantasias de perfeição. E ainda tem mais uma coisa, como disse Mimansa[1]: “nunca é tarde e sempre é a primeira vez.”





[1] Erica Farni, ou Mimansa, é uma alemã residente no Brasil,  facilitadora de Constelação Familiar, Professora da Hellinger Schule que trouxe as Constelações para o Brasil. Ela acompanha os grupos de Bert Hellinger na Alemanha há mais de 30 anos, quando a Constelação ainda estava nascendo.

2 de nov de 2018

78) Portas Místicas para a Reconciliação



“No More Galaxies for Today, Timmy!" by Eugenia Loli

        Qualquer um de nós já foi ferido ou feriu alguém. É muito doloroso ser machucado e machucar outra pessoa sem encontrar uma saída. Dependendo da agressão feita (ou sofrida), podemos atrapalhar muito a vida de uma pessoa por gerações. Como lidar com a dor e a culpa? Como pedir ajuda ao perdão e à reconciliação?

        No século XX, na Índia teve um grande mestre de yoga, Shrii Shrii Anandamurti que recebeu um discípulo pedindo ajuda para salvar o seu filho de uma doença incurável. Este pai, rico, já havia levado o rapaz a vários hospitais de ponta no mundo inteiro. Bába, como era chamado Anandamurti, disse que o único médico que podia ajuda-lo morava em uma cidade pequenina nas redondezas.  Este clínico era um ancião, pobre, que ajudava muita gente. Ao ver o jovem, se compadeceu tanto pelo seu sofrimento e se afeiçoou tanto pelo rapaz, que fez de tudo para curá-lo.

        Depois de algum tempo, o pai muito agradecido voltou para o mestre  e perguntou o que realmente havia acontecido? Por que os outros médicos tinham falhado e ele não? Bába respondeu no estilo daquela sabedoria milenar:

        - Na última vida, seu filho foi patrão do pai deste velho médico. Em dado momento despediu o homem sem nenhuma razão ou compensação pelo trabalho dele. A família passou tanta fome que morreram muitos filhos e o próprio pai do médico, deixando ele ainda criança sob os cuidados de uma mãe despedaçada de dor. Sua revolta foi tão grande que até aquele momento alimentava muito ódio por aquele patrão. Quando o senhor chegou lá com o seu filho, que foi em outra vida o responsável por  tanta desgraça na família dele, os dois puderam ter outra chance. O sofrimento do seu menino despertou a compaixão e o amor do médico. A vontade de o rapaz melhorar fez com que o ódio do seu coração já tivesse sido o suficiente. E a culpa inconsciente do teu filho desde a outra vida pode olhar nos olhos de quem causou tanta dor. Por isso agora ele se curou, ele está bem.

Observamos nas constelações que se responsabilizar por uma ação que causou um dano a alguém não é se culpar ou até atrair uma doença, mas ser capaz de responder e confrontar o conflito para resolvê-lo.  Por exemplo, se olhamos para uma pessoa a quem causamos uma dor e pedirmos perdão, como se ela pudesse tirar de nós o peso das nossas ações, nossa culpa e a dívida com a vítima não vão diminuir.

Ao invés disso, se dissermos de coração (e sem intenções egoístas de sermos perdoados) "eu te causei aquela dor, sinto muito, prometo não fazer de novo e te cuido mais no futuro", assumimos nosso ato, entendemos que causamos uma dor, estamos sentidos com o ocorrido e ainda lançamos a perspectiva de uma ação que compense o dano causado. 

O que geralmente acontece, no entanto, é que muitas vezes a sensação de culpa não consegue mais olhar a vítima e quer se livrar deste sentimento projetando a culpa nos outros ou se punindo inconscientemente, com aquela doença do exemplo acima. 

E por que o perdão da vítima não resolve a culpa e nem diminui a dívida do agressor? Porque pretende tirar dele a possibilidade de se responsabilizar pela solução, que é a nova conduta que compensa o ato e nos leva além. O perdão sem a compensação não reconcilia. Tampouco alivia a vítima do fardo, porque impede o agressor de fazer o que lhe cabe. Como disse Hellinger: 

“o ato de perdoar não funciona como substituto para um confronto necessário. Com isso apenas se encobre e adia o conflito, em vez de resolvê-lo. Os efeitos do perdão são especialmente nocivos quando a vítima absolve o agressor de sua culpa, como se tivesse o direito de fazê-lo. Para que aconteça uma verdadeira reconciliação, a vítima tem não somente o direito, mas também o dever de exigir reparação e compensação e o culpado tem não apenas o dever de assumir as consequências de seus atos, mas também o direito de fazê-lo.” (Hellinger, 2011:22).

A vítima, em sua justa exigência, não deve virar um algoz pior do que seu agressor, se tornando um perseguidor implacável de quem lhe fez mal. Até o ódio justtificável daquele médico cedeu diante do sofrimento humano.

É o que acontece com algumas pessoas traídas, por exemplo, que passam anos da relação punindo seus parceiros/as pela dor que sofreram, mesmo que elas tenham tido a compensação com um “sinto muito” sincero e a promessa e ações concretas do parceiro/a de cuidar da relação com mais zelo e amor. 

Mas sabemos também que na maioria das vezes quem fere ou não assume seus atos ou assume mas não se compromete a compensar o que fez, ou acha que pedir desculpas sinceras é o suficiente. Não é.


        Bert Hellinger conta a história de um casal que buscou ajuda de um terapeuta. A moça havia abandonado o marido e queria voltar para a relação. Mas ela pediu isso sem nenhum compromisso. Sem oferecer nenhuma reparação. 

Ao saber pelo terapeuta que precisava fazer algo de verdade, refletiu, olhou para o parceiro e disse: “Sinto muito o mal que lhe fiz. Por favor, deixe-me ser de novo sua mulher. Eu o amarei, cuidarei de você e, no futuro, você poderá realmente confiar em mim.” (Hellinger, 2011: 22).

        O parceiro se manteve inabalável até o terapeuta confirmar que ele tinha sofrido muito. Só nesta hora ele chorou pela primeira vez. Então o conselheiro lhe disse: “Uma pessoa contra a qual foi cometido tanto mal sente-se no direito de rejeitá-la, como se não precisasse dela. Contudo, contra tal inocência o culpado não tem chances. ” (Hellinger, 2011: 23)

         Ao escutar isso, o homem sorriu para a sua esposa. Ele tinha sido pego em sua inocência imaculada, que não dava chances para mais nada. Se eles voltaram, não ficamos sabendo, mas tiveram uma chance de reconciliar como o médico e o doente.

         Assim, aprendemos que “existe um modo bom de perdoar que preserva a dignidade do culpado e a do agressor. Ele requer que a vítima não faça exigências exageradas e aceite a compensação e a reparação que lhe forem oferecidas pelo ofensor. Sem tal perdão, não existe reconciliação.” (Hellinger, 2011: 22).

Tem também aqueles que manipulam tudo isso que estamos falando. Eles não foram feridos, mas interpretam ou distorcem os atos de outras pessoas como se tivessem sido feridos e ficam perseguindo ou se fazendo de vítima inventando um inimigo. Ou ferem e chamam a vítima de louca, ou se justificam dizendo que tinham o direito de fazer o que bem quisessem. Com relação a estes comportamentos, não há muito o que fazer além de nos mantermos atentos e fortes.


A culpa, o perdão, a reconciliação, as verdadeiras vítimas e os algozes arrependidos aparecem na literatura ocidental desde a peça Oréstia de Ésquilo, escrita há mais de 2.500 anos. Tanto lá como agora, nem o “olho por olho”, nem o ato de perdoar sem um ato de reparação do algoz, equilibraram a balança. A justa e consciente compensação sim. E as portas das graças divinas, que colocaram o algoz doente sob a espada do médico, também!



_______________


Hellinger, Bert. O Amor do Espírito. Goiânia: Atman, 2011


29 de out de 2018

77) Yogapsicologia e as Nossas Propensões Mentais


PR Sarkar - 1979 - Aeroporto de Geneva - foto Donald Acosta

O filósofo e mestre de Tantra Yoga, PR Sarkar, em muitos de seus livros, práticas e palestras falou das propensões mentais nos centros de energia. Ele deu o nome de yogapsicologia ou biopsicologia a este conhecimento.

Em sânscrito as propensões ou vórtices mentais são chamadas de vrtts e os centros de energia são conhecidos como chakras. No primeiro chakra, na base da coluna, por exemplo, está a Kundalini adormecida (a energia que precisa ascender para a realização da espiritualidade) e mais 4 vrtts:

desejo psicoespiritual (dharma), 
desejo de natureza psíquica (artha), 
desejo de natureza física (Káma), 
desejo espiritual (Moksa). 

Para elevar a kundalini até o sétimo chakra, no topo da cabeça, precisa de muita energia - que os atritos da vida proporcionam - e que os vrtts não a sequestrem. Somos exigidos a “administrá-los” como as práticas do yoga propõem. (O Mahabharata, segundo Sarkar, é um épico indiano que fala desta jornada de aprendizado: como controlar todos os 1000 vrtts para chegar à liberação espiritual - Krshna.)

Sarkar ensinou sobre vrtts e sobre as glândulas associadas e seus hormônios correlatos. Indicou posturas de yoga para equilibrá-las e mostrou como o mantra atua para despertar a kundalini. Além do tantra yoga, ele criou uma filosofia - o Anandan Sutra - e  teve uma obra vasta em várias áreas do conhecimento correlacionando tudo com as questões políticas. Como?

Os vrtts tem uma função evolutiva: por exemplo, o torpor mental (murccha) no segundo chakra é necessário quando um animal é atacado. Assim ele parece morto e seu predador pode desistir de devora-lo pensando que ele estivesse morto há mais tempo.

Ficamos muitas vezes com a mente parada no vrtt murccha quando temos um trauma ou quando um sistema político nos aterroriza de verdade, com ações que colocam em risco direto a nossa vida. 

A inveja (Iirsha) no terceiro chakra também é importante para a pessoa sentir tristeza quando começa a se comparar com os outros. Sem esta infelicidade ela não conseguiria voltar para si mesma e/ou buscar ajuda para ser mais feliz. Imagina se dentro da gente não tivesse um programa destes que nos alertasse a parar de se comparar e seguir em frente? Mas ela também nos tira no torpor mental, afinal começamos a ver que existe um horizonte maior já que alguém conquistou alguma coisa que não temos. A inveja não vai fazer ninguém conseguir nada, mas vai alfinetar a letargia.

Tem uma propensão, no entanto, que parece não fazer sentido nenhum para a evolução - o sadismo (pishunata) no terceiro chakra também. Susan Andrews, uma das maiores pesquisadoras no assunto sempre se indagou sobre a função deste vrtt para a evolução.

Qual a função evolutiva de sentir prazer em fazer alguém sofrer? Até ontem eu não tinha esta resposta. Mas aconteceu de uma moça postar em uma rede social, rindo, logo depois das eleições brasileiras que colocaram um presidenciável que incentiva a violência no poder: “kkkkkk já posso dar uns tirinhos agora?”

Sabemos que o Brasil é um país muito violento, não de hoje, mas qual a diferença agora?  É que sentir prazer com a morte dos outros ficou pública e virou moda, símbolo de poder político. A isto damos o nome de sadismo. 

Tem cartazes que dizem “Viva um torturador” depois de uma declaração destas no congresso nacional. 

A minha hipótese é de que o sadismo pega algumas pessoas à serviço por dois motivos.

1)  É preciso que algumas pessoas façam este papel para que outros possam crescer. Estas pessoas com seu sadismo escancarado, inadvertidamente nos treinam a ter paciência, estômago, perseverança, disciplina e tudo aquilo que Don Juan ensinou para Castanheda sobre os pequenos tiranos e a impecabilidade do guerreiro espiritual. Texto aqui.

Não ficar com raiva de um sádico e continuar a lutar por um mundo mais inclusivo exige muito da gente. Exige, por exemplo, que estejamos muito mais unidos e sejamos mais democráticos ainda.

2) E como colocar a mente no mamata vrtt (compaixão) que fica no quarto chakra, ou no vrtt phat (colocar a teoria em prática) no quinto chakra exige muito mais energia do que ficar nos vrtts do terceiro chakra, que são importantes também, imagina o treinamento que passamos para evoluir? 

A função evolutiva do sadismo então, talvez seja 1) criar força interior para escaparmos do prazer que ele gera e assim evoluirmos e 2) nos unir em direção oposta ao que ele faz. Digo isso porque tem muito mais amor explicitado nas mãos dadas de pessoas que querem criar outras realidades de convivências. 

É verdade que o amor também faz isso sem o sadismo de outros no reboque, mas quando os nossos egos ficam tão grandes a ponto de nos dividir, o sadismo (de outros) pode nos lembrar daqueles vínculos que nos mantém. Não é o vínculo de interesses ideológicos, mas do que nos torna humanos.

Por isso eu acho que o sadismo é o contrário radical de JUNTOS, mas também um dos percursos que a evolução usa para nos lembrar de algo mais profundo quando esquecemos o que nos mantém em sociedade.




—————
Susan Andrews no Parque Ecológico Visão Futuro é quem oferece uma das melhores formações nesta área. No RJ temos a Joana Amaral, o Ruy Marra e outros. Em SP a Cristina Ibiapina, Germana Lucena, Silvia Fuller e outros, em Porto Alegre tem a Naila Sarkar, a Janaína Farias, a Jaqueline Lessa e outros e todos os monges da Ananda Marga são treinados em biopsicologia (yogapsicologia) direto da Fonte - PR Sarkar.

88) Ode à Carência*

Se for pra me tocar Que seja com as duas mãos Como naquela xícara de café  depois da chuva fria.  Faz muito tempo, eu sei Que nã...