24 de jul de 2012

3) É Preciso Coragem para Felicidade Maior



I can see clearly now - Jimmy Cliff




O mestre de Tantra Yoga e filósofo indiano P.R.Sarkar (1921-1991) fez vários comentários em seu tratado filosófico, sobre o dharma (qualidade intrínseca) ou aquilo que faz o ente se realizar em sua totalidade. Por exemplo, o dharma do fogo é queimar como o da água é molhar. Tanto para o filósofo como para muitos yogues, o dharma do ser humano é a felicidade, o bem-aventurar-se (Sarkar e Andrews, 1998).

Se o fogo pudesse dizer “não vou queimar”, ele se extinguiria. Imagino que se ele também pudesse perguntar: “quanto eu devo pagar ou o que devo fazer para merecer queimar?” sofreria de certo tipo de arrogância. É preciso humildade para aceitar a dádiva de ser o que se é: de queimar, de molhar, de bem-aventurar-se.

Penso que estas considerações sobre o dharma têm algum parentesco de sangue com o que Hellinger - filósofo que levou as Constelações Familiares a outros patamares - comentou sobre a felicidade:

  “é preciso coragem para a felicidade maior. A grande conquista é segurar o fácil e claro e olhar adiante, deixando para trás todo o anterior. Toda tentativa de voltar atrás é uma fuga do peso da felicidade. Pois sim, que a felicidade é fácil! Aliás, precisa de uma grande coragem porque, no final, essa felicidade maior só pode ser conservada como um presente não merecido, para o qual não se pode e nem se deve pagar nada. Isso é humildade” (2007: 100).

Ele continua dizendo que quando esta grande felicidade se mostra, alguns podem dizer: “tenho ainda um problema que não está totalmente resolvido” e assim destrói a felicidade e volta para a infelicidade habitual. É preciso coragem para dizer, mesmo que se sinta culpado, SIM à felicidade. E aguentar.

4 de jul de 2012

2) O que é Constelação Familiar?







     "A Constelação Familiar foi criada por Virgínia Satir, entre outros, e há alguns anos ganha relevo mundial pelo filósofo e psicoterapeuta alemão Bert Hellinger.


    Segundo ele e sua prática, a constelação se fundamenta na atitude fenomenológica. Esta postura, que exige o desapego de intenções, dos medos e de teorias como mapa dos acontecimentos, nos coloca diante de uma questão pessoal, a ser tratada, e, ao nos deixar afetar pela realidade do dinamismo familiar  da pessoa e do contexto mais amplo da Grande Alma, a solução pode se apresentar.

       Atualmente, ele e Sophie Hellinger, sua esposa, aprofundaram a Constelação e a chamam de "Constelação Familiar Medial", e muitos insights sobre o conhecimento e aplicação desta "técnica" têm sido oferecidos em seus seminários pelo mundo.  Como eles mesmos disseram recentemente (maio de 2013) "o eternamento vivo que segue em frente é um movimento divino dentro do ser humano. Ao nos deixarmos sermos levados, novas portas e novos planos que se abrem nos deixaram vislumbrar o que significa "ser humano" em toda sua dimensão"

         Eles se referem também, neste sentido ao MEDIAL,  ou o "deixar ser guiado a partir do centro para o "Novo e Desconhecido"". Aqui tem mais detalhes sobre esta Nova Constelação: Seminários em Bad Reichenhall e A Nova Constelação Familiar.


       Resumidamente, o dinamismo fenomenológico da Constelação Familiar revelou que não somos uma alma separada da família e dos ancestrais, mas que pertencemos a uma alma familiar, onde todos têm o direito a este pertencimento, além de pertencermos à Grande Alma que inclui a todos. Quando uma pessoa é excluída do sistema familiar, como por exemplo, por morte prematura, abandono, preconceito, desconhecimento da existência, assassinato, guerras, adoção, acidentes fatais, abortos, negação etc., gera uma compensação nas futuras gerações criando um "buraco" na rede desta alma de grupo. Assim, um problema pessoal, seja ele de saúde, nos relacionamentos ou no curso da nossa vocação e trabalho,  pode estar relacionado com um ferimento na teia do sistema, por onde o amor flui. 

       O corpo, como uma das dimensões mantidas pela função unificadora da alma familiar, também é afetado por estas dinâmicas.

           Como o movimento de amor da Grande Alma não quer parar, mas se depara com a negação do pertencimento de uma ou várias pessoas, produz-se uma compensação "doentia" orientada pelo amor cego que quer restituir o direito ao pertencimento. Isto leva um descendente a assumir inconscientemente o mesmo destino do excluído, sofrendo sintomas físicos e/ou psíquicos recorrentes, fracassos repetidos e outros  desequilíbrios em várias esferas da vida.

         Com a postura fenomenológica das Constelações, de não interferir, mas se deixar afetar pelo movimento de amor do sistema (não pelo amor cego, mas pelo amor que vê e reconhece aquele/a que foi banido), pode-se começar um processo profundo de cura.

       Quando se vivencia a possibilidade de o próprio sistema familiar manifestar o caminho para que o amor volte a fluir, sem fazer compensações, tem-se a chance de incluir aqueles que nos dão força. Portanto, todos os que participam de uma dinâmica da Constelação familiar, como o constelado, o constelador, os participantes e os que observam, têm a chance de vivenciar esta fonte de amor, que não precisa perguntar pelo caminho" (Mônica Clemente).

1 de jul de 2012

1) O que faz um Constelador Familiar?



Bert Hellinger em um Workshop de Constelação Familiar


      Segundo Hellinger (2007), a postura terapêutica do constelador  diante do sistema familiar do constelado é a atitude fenomenológica: colocar-se diante da realidade sem intenções, medo ou modelos reproduzíveis. Esta disposição de se deixar  afetar, respeitando os limites do mistério, é muito difícil porque implica sempre um novo risco e uma espera para a compreensão se revelar ou não. Isto exige também humildade. Não há um mapa conduzindo o constelador, mas uma renúncia que não tem querer, saber ou temor  diante do movimento da Grande Alma e a alma familiar.

      O constelador  “olha para aquilo que une, atrás de tudo o que aparece e é apoiado e conduzido por aquilo que é a base e limite de todo o querer. Na verdade, traz à luz o último. Por isso, uma terapia só se completa quando traz este último à luz e quando une na profundeza alguém com este último. Aqui a verdade se torna um acontecimento e se completa na ação" (Hellinger, 2007:25).

78) Depressão

Quando eu li pela primeira vez que a depressão, segundo as observações do Bert Hellinger nas Constelações Familiares, era, geralment...